Já pensou em criar plugins para WordPress e oferecer a funcionalidade desejada ao seu site? Veja abaixo o passo a passo para colocar isso em prática!

Ouça o conteúdo deste post clicando no player abaixo!

Saber como criar plugins para WordPress pode ser uma estratégia eficiente para melhorar a funcionalidade do seu site. Afinal, mesmo que existam diversos plugins prontos para serem utilizados, pode surgir uma necessidade específica – e esse conhecimento ajudará a suprí-la.

Mas antes de entrarmos especificamente em como criar plugins para WordPress, temos uma pergunta: você sabe o que é plugin?

O plugin é um código que permite adicionar novas funcionalidades dentro do sistema. Com ele, é possível deixar a plataforma com todas os recursos e ferramentas desejados.

Existe uma série de plugins já prontos que podem ser incorporados em uma página. Eles podem, por exemplo, ajudar na implementação de estratégias de SEO e na otimização de banco de dados.

Porém, como dissemos, existem tarefas em que não existe nada em específico, como para instalar um widget no site. Nesse momento, saber como criar plugins para WordPress irá fazer com que você economize tempo e dinheiro.

Nesse conteúdo, você conhecerá os recursos necessários para a sua criação e quais fatores devem ser levados em consideração antes de colocar a mão na massa. Verá, também, como criar plugins para WordPress, na prática.

Boa leitura!

Tópicos desse conteúdo

Quais as vantagens de saber como criar plugins para WordPress?

O que é preciso saber antes de criar um plugin?

  1. Funcionalidades
  2. Interfaces
  3. Heranças no código

Como é a estrutura de um plugin do WordPress?

Como criar plugins para WordPress?

  1. Armazenamento
  2. Criação do primeiro arquivo
  3. Definição das funcionalidades
  4. Criação do objeto
  5. Criação da nova página de administrador do WordPress

Quais as vantagens de saber como criar plugins para WordPress?

Existe uma série de plugins prontos dentro do WordPress que podem ser inseridos em um blog, e-commerce ou site institucional

Os tipos mais comuns são:

Mas então, por que criar um plugin próprio? 

A grande vantagem está no fator personalização. Isso porque ele irá executar exatamente o que você precisa – o que é extremamente positivo, pensando principalmente na performance no site.

Para que haja a interação dos plugins com a plataforma, é necessário criar funções para que o código padrão do WordPress compreenda o que exatamente o plugin está tentando executar.

Logo, é importante que o programador entenda de códigos, especialmente de PHP, que é a linguagem que o WordPress utiliza. Caso contrário, a funcionalidade do site pode ficar comprometida.

O que é preciso saber antes de criar um plugin?

Planejar a criação de um plugin é essencial, pois um pequeno erro pode prejudicar o desempenho da página. Por isso, é importante se atentar a três fatores principais:

1. Funcionalidades

Não adianta saber como criar plugins para WordPress se você não sabe o que de fato eles devem executar.

Pontue as funcionalidades esperadas, ou seja, o que eles devem fazer e de que forma irão ajudar. Sem essa clareza, as chances de o projeto dar errado são grandes.

2. Interfaces

É o que estabelece a forma com que o plugin será inserido no WordPress. Por se tratar de um código novo, é preciso definir como eles irão interagir entre si.

3. Heranças no código

Para que um plugin funcione, ele também precisa interagir com os códigos centrais da plataforma. Para se precaver em caso de falhas, é necessário que ele tenha o seu próprio código, permitindo realizar ajustes diretamente nele – mantendo a estrutura do site intacto.

Como é a estrutura de um plugin do WordPress?

Ainda dentro da etapa de planejamento, é importante conhecer a sua estrutura, pois isso irá facilitar o processo de criação. Ela deve ser composta por:

Nome do plugin

Deve ser único e descritivo, para facilitar na organização.

Arquivos do plugin

São essenciais para o funcionamento do plugin. No primeiro arquivo, por exemplo, devem constar todos os dados que a ferramenta precisa para adicioná-lo à sua lista de plugins.  

API do plugin

Sigla de Interface do Programa de Aplicação, é a API que oferece os pontos de acesso e os métodos para que haja a integração do plugin ao site.

Actions e Actions Hooks

Ao acessar um site, imediatamente surgem na tela imagens, texto, entre outros itens. Isso ocorre graças às actions, que são ativadas nesse instante. Elas são conectadas também às actions hooks, traduzidas como “ganchos” e fornecidas pelo próprio WordPress. 

Elas são responsáveis por fazer com que ocorram as ações programadas no momento de abertura de um site.

Agora que você entendeu melhor sobre a estrutura e funcionamento de plugins, confira o passo a passo para criar o seu.

Como criar plugins para WordPress?

1 – Armazenamento

O primeiro passo para criar um plugin para WordPress consiste em criar uma pasta para armazenar todos os seus arquivos. Para isso, no diretório principal da plataforma, clique em wp-content e, depois, plugins. 

Dentro dessa pasta, crie uma nova, preferencialmente com nome claro e único. Você também pode criar subpastas, caso o plugin seja mais complexo.

2 – Criação do primeiro arquivo

Essa etapa requer muita atenção, pois os arquivos são parte essencial para o sucesso de um plugin. Na pasta criada acima, crie um arquivo PHP e o nomeie preferencialmente com o mesmo nome do plugin – para evitar confusão.

Na primeira linha deste arquivo, adicione uma tag PHP e, em seguida, incorpore uma sequência de comentários, sendo um por linha e iniciando com /*. 

Eles devem trazer, por exemplo:

  • Nome;
  • Autor;
  • Versão;
  • Site;
  • Licença do WordPress.

Após adicionar todas as informações, basta inserir */ para que a sessão de comentários seja fechada.

Findado esse processo, salve o arquivo e faça um upload para a pasta criada anteriormente. Você pode conferir se ele foi criado efetivamente acessando o menu da esquerda no painel do WordPress e clicando em Plugin. Ele deve aparecer lá com as opções ativar, editar e excluir.

3. Definição das funcionalidades

Aqui, as funcionalidades definidas na etapa de planejamento são adicionadas no plugin. Para isso, acesse o arquivo PHP, pule as primeiras linhas, que foram utilizadas no passo anterior, e escreva o código para a criação das funções.

Inicie escrevendo a palavra “function” e o nome da função. Na linha seguinte, descreva com clareza a função que deverá executar na página e insira */ para fechar essa sessão.

4. Criação do objeto

Após ser descrita a funcionalidade do plugin, é hora de informar o WordPress sobre ele utilizando os hooks – ainda no mesmo arquivo PHP.

Para tal, escreva “add_filter()” na primeira linha, sendo que dentro dos parênteses será incluído o nome do filtro, seguido de vírgula e o nome da função. Tudo isso poderá ser visto no API.

5. Criação da nova página de administrador do WordPress

Finalizada a parte de codificação, você precisa ativar o plugin. Para isso, acesse o painel da plataforma, encontre o seu plugin na lista de plugins e clique em ativar. Se preferir, faça um teste antes, para se certificar que está funcionando adequadamente.

Ainda nesta etapa, é preciso criar a página de administrador, que será exibida ao clicar no link do painel de controle. Isso não é necessário nos casos de plugins simples. 

Essa etapa é um pouco mais complexa, sendo recomendado contar com um suporte profissional ou acessar cursos específicos sobre isso.

Caso você queira se aprofundar no conteúdo e ter acesso a mais informações, acesse o nosso curso Desenvolvimento de Plugin para WordPress, que aborda o assunto de forma completa!

Neste conteúdo, nosso objetivo era apresentar um passo a passa básico para quem tem dúvidas sobre como criar plugins para WordPress.

Além disso, mostramos as vantagens, as informações necessárias para criar e a estrutura de um plugin do WordPress.

Gostou do artigo? Se estiver procurando por opções prontas, conheça 8 excelentes opções de plugins do WordPress para sites e blogs!