Aprenda tudo sobre as principais diferenças entre os tipos de porta SMTP.

Desde que surgiu, em 1971, o e-mail passou a figurar como um dos principais serviços da internet e, mesmo anos depois, segue sendo a tecnologia de comunicação mais utilizada no mundo. Mas, para que seja enviado de maneira segura, os correios eletrônicos contam com a ajuda do que chamamos de protocolo de transferência simples, a famosa porta SMTP.

Em um primeiro momento, entender o que é uma porta SMTP e como ela funciona pode parecer complexo, mas, na prática, o funcionamento deste protocolo é bem simples — e é exatamente isso que iremos mostrar para você no post de hoje.

Depois de apresentarmos os principais gerenciadores de e-mail, chegou a vez de aprofundar nossa conversa e falar sobre os bastidores desta forma de comunicação tão popular e presente no dia a dia das pessoas, explicando tudo o que você precisa saber sobre o SMPT. Vamos começar?

O que é uma Porta SMTP?

O primeiro passo desta jornada é entender o que é SMTP de forma mais detalhada. Para começar, o termo vem da expressão “Simple Mail Transfer Protocol”, que, traduzindo para o português, significa “Protocolo de Transferência de Correio Simples”.

Trata-se do protocolo que os servidores de e-mail utilizam para tornar a transmissão de mensagens possível, sigilosa e segura. Exemplificando, é como se o SMTP atuasse como o serviço de correio tradicional, que faz a entrega de correspondências físicas.

Veja como funciona o SMTP na prática: toda vez que você escreve um e-mail e clica em “enviar”, as informações são direcionadas para o servidor SMTP que, por sua vez, adequa a mensagem aos padrões do protocolo de transferência de e-mail. A partir de então, as informações podem ser transmitidas via internet para o servidor SMTP do destinatário.

Quando falamos em porta SMTP, portanto, estamos falando sobre os servidores que possibilitam que dois ou mais computadores se comuniquem entre si. Vale dizer que existem tanto servidores SMTP gratuitos quanto pagos. No primeiro grupo, por exemplo, estão alguns nomes conhecidos, como Gmail, Outlook e Yahoo.

Trata-se de opções confiáveis, que, no geral, se diferem dos servidores pagos por possuírem uma capacidade de envio menor, porém, bastante satisfatória para usuários comuns.

Para se ter uma ideia, o servidor SMTP do Gmail possui a capacidade limite de 500 mensagens por dia. Já o SMTP Locaweb, que é um servidor pago, é capaz de enviar até 1000 mensagens por minuto, sendo ideal para empresas que disparam E-mail Marketing e demandam um grande volume de envios.  

Seja qual for a opção escolhida, o mais importante é saber que o servidor SMTP é imprescindível para que a comunicação via e-mail aconteça nas condições mais seguras, especialmente quando se trata de um e-mail profissional

Tipos de porta SMTP

Como você viu até aqui, o SMTP é um dos grandes responsáveis por intermediar o envio e o recebimento das mensagens transmitidas via e-mail, desempenhando um papel fundamental para garantir a segurança de todo o processo. No entanto, existem mais de uma porta SMTP, então, conhecer cada uma delas é muito importante para entender qual será usada para cada situação.

Aqui, vale dizer que as portas SMTP estão divididas em duas grandes etapas: submissão e relay. Enquanto, na primeira etapa, acontece o envio da mensagem de e-mail para um servidor de saída, a segunda etapa é marcada pelo processo de retransmissão da mensagem entre dois servidores. Dito isto, conheça quais são as quatro portas SMTP mais utilizadas.

Porta SMTP 25

É conhecida como a porta padrão mais antiga de todas, passando a ser utilizada desde 1982. Apesar de ter sido amplamente adotada no passado, a porta SMTP 25 está bloqueada no Brasil desde 2013, como uma medida para evitar spam. 

Isso porque, por ser uma porta padrão para a comunicação de servidores de e-mail, ela dificultava a identificação de tráfegos anormais. Com o bloqueio, a porta 25 foi substituída pela porta 587, sobre a qual falaremos na sequência.

Porta SMTP 587

Apesar de ser recomendada pelo Comitê Gestor da Internet (CGI) desde 2005, a porta SMTP 587 precisou de um pouco mais de tempo para ser adotada pelos grandes provedores de internet. A mudança só aconteceu de forma massiva a partir de 2013, com o bloqueio definitivo da porta 25.  

Por ser considerada uma porta padrão para a etapa de submissão SMTP, ela trouxe mais segurança para o envio de mensagens de e-mail para os servidores de saída, sendo a opção mais recomendada atualmente.

Porta SMTP 465

A porta SMTP 465 é uma opção mais antiga, que já foi muito usada na comunicação com o servidor SMTP, quando os usuários buscavam novas maneiras de proteger as mensagens. 

Hoje, no entanto, ela passou a ser adotada em outra modalidade de serviço e não deve mais ser utilizada para comunicações SMTP. Ou seja: mesmo que muitos provedores de hospedagem em nuvem ainda suportem a porta 465, a porta 587 segue sendo a alternativa mais indicada.  

Porta SMTP 2525

Por último, temos uma porta do SMTP que, apesar de não ser reconhecida como oficial, é usada por alguns provedores: a 2525. Nestes casos, ela atua como uma espécie de espelho da porta 587, que figura, hoje, como a principal porta SMTP.

Como a porta 2525 não é considerada oficial, normalmente, é fornecida em ISPs (Internet Service Provider), consumidores e provedores de hospedagem em nuvem.

Para além da porta SMTP 

Até aqui, você pôde entender o que significa servidor SMTP e, assim, conhecer um dos principais protocolos utilizados na troca de e-mails, mas você sabia que, além da porta SMTP, utilizada para o envio das mensagens, existem outras duas configurações muito utilizadas na internet, que complementam essa operação?

A primeira delas é o protocolo IMAP (Internet Message Access Protocol), utilizado para sincronizar as mensagens no servidor. Já a segunda é o protocolo POP3 (Post Office Protocol), que, assim como o IMAP, também é usado para recebimento e sincronização dos e-mails.

A grande diferença entre ambos é que, enquanto o POP3 apaga as mensagens do servidor após baixá-las, demandando a programação do backup do dispositivo para evitar perdas, o IMAP traz mais flexibilidade por manter todas as informações copiadas no servidor.

Em resumo, as portas SMTP, IMAP e POP3 formam o principal trio por trás da configuração de um aplicativo de e-mail, podendo ser utilizadas tanto em servidores gratuitos, como o Gmail, como em servidores pagos.

Vale lembrar que, enquanto o envio de e-mails sempre acontece por meio do SMTP, o acesso para a leitura pode ser feito tanto via POP3 quanto via IMAP — a escolha sobre qual opção utilizar deve sempre considerar as necessidades de cada usuário.  

Entender como esses protocolos e as respectivas portas funcionam é fundamental para que não haja imprevistos e nem problemas relacionados à segurança na troca de mensagens, especialmente para empresas que têm o e-mail como um importante aliado e lidam com informações confidenciais.

Se você chegou até aqui e quer se aprofundar ainda mais no assunto, que tal conferir o nosso Guia Definitivo para Criar um E-mail Profissional?

Além de listar os principais motivos para ter uma conta empresarial, detalhamos as funcionalidades mais importantes por trás da ferramenta para que você possa aproveitar todas as vantagens que o e-mail oferece.  Nos vemos por lá!