Aprenda mais sobre o conceito e como ele funciona.

Structure Query Language (SQL) é uma linguagem de consulta de banco de dados usada para armazenar e gerenciar dados em SGBD Relacional, sendo a primeira linguagem comercial introduzida para o modelo relacional de banco de dados. 

Hoje, quase todos os RDBMS (MySql, Oracle, Sybase, MS Access e outros) usam SQL como linguagem de consulta de banco de dados padrão. O SQL é usado para realizar todos os tipos de operações de dados em banco. Quer entender melhor? Continue acompanhando o artigo!

O que é uma Query?

Os bancos de dados são um componente-chave de muitos sites e aplicativos, estando no centro de como os dados são armazenados e trocados pela internet. Um dos aspectos mais importantes do gerenciamento de banco de dados é a prática de recuperar dados, seja em uma base ou parte de um processo que foi codificado em um aplicativo. 

Existem várias maneiras de recuperar informações de um banco de dados, mas um dos métodos mais comumente usados ​​é executado por meio do envio de consultas à linha de comando.

Em sistemas de gerenciamento de banco de dados relacional, uma consulta (Query) é qualquer comando usado para recuperar dados de uma tabela, realizado em Structured Query Language (SQL).

Assim, a ‘Query’ é o requerimento ou a consulta enviada para o sistema em troca de informações! Trata-se de uma solicitação de dados, ou informações, de uma tabela de banco de dados ou combinação de tabelas. Esses dados podem ser gerados como resultados, retornados como imagens, gráficos ou resultados complexos.

Como funciona uma Query?

Para que uma máquina compreenda uma solicitação de informações em primeiro lugar, a Query deve ser escrita de acordo com um código conhecido como linguagem de consulta. Por exemplo, se você for a um banco e perguntar “Pode me servir uma pizza?”, com certeza, o caixa ficará confuso, certo?

SQL representa uma das linguagens padrão, usadas para fins de gerenciamento de banco de dados, enquanto o MySQL, é o software que usa essa linguagem específica. Embora SQL seja uma linguagem de consulta bastante universal, outras comumente usadas incluem DMX, Datalog e AQL.

O recurso de consulta de banco de dados é igual à capacidade de armazenamento de dados. Portanto, várias linguagens de consulta foram desenvolvidas para diferentes mecanismos e propósitos de banco de dados, mas o SQL é de longe a mais onipresente e conhecida. Na verdade, os administradores de banco de dados novatos costumam se surpreender quando descobrem a existência de outras linguagens de consulta. 

Elas geram diferentes tipos de dados de acordo com a função. Por exemplo, o SQL retorna dados em linhas e colunas organizadas, sendo muito semelhante ao Microsoft Excel na aparência. Outras linguagens de consulta geram dados como gráficos ou manipulações complexas. 

Um banco de dados pode ser consultado por usuários menos experientes, que não são treinados em uma linguagem de consulta específica. Usar uma Query predefinida, escrita em uma linguagem de consulta especial para fazer uma solicitação, não é a única maneira de solicitar informações de um banco de dados.

Um usuário pode escolher os parâmetros disponíveis em um menu padrão, que o guiará durante a pesquisa. Este é um método simples, mas menos flexível. O sistema também pode fornecer ao usuário um registro padrão, em que algumas áreas em branco podem ser preenchidas com os campos e os valores que definem a consulta. Este método é denominado consulta, por exemplo.

Quais são as vantagens de usar a Query?

Como já falamos, Structural Query Language (SQL) é usado para acessar, manipular e se comunicar com o banco de dados. Quase todas as funções podem ser realizadas usando SQL, como recuperar dados do banco, criar um novo banco, manipular dados e bancos — inserção, exclusão e atualização. 

Trata-se de uma linguagem amigável e de domínio específico:

  • é amplamente utilizada na ferramenta de Business Intelligence;
  • a manipulação de dados e o teste de dados são feitos por meio de SQL;
  • as ferramentas de ciência de dados dependem muito de SQL, como Big Data, por exemplo;
  • é uma das habilidades industriais exigidas!

Além disso, a linguagem SQL tem muitas vantagens, o que a torna popular e altamente exigida no mercado. É uma linguagem confiável e eficiente, usada para se comunicar. Algumas vantagens SQL são as seguintes.

Processamento de consulta mais rápido

Grande quantidade de dados é recuperada de forma rápida e eficiente. Operações como inserção, exclusão e manipulação de dados também são feitas em poucos segundos!

Não exige grandes habilidades de codificação

Para recuperação de dados, não é necessário um grande número de linhas de código. Todas as palavras-chave básicas, como SELECT, INSERT INTO, UPDATE, etc, são usadas. Além disso, as regras sintáticas não são complexas em SQL, o que o torna uma linguagem amigável.

Linguagem padronizada

Devido à documentação e ao longo estabelecimento com o passar dos anos, SQL fornece uma plataforma uniforme em todo o mundo para todos os seus usuários.

Portátil

Pode ser utilizado em programas em PCs, servidores e laptops independentes de qualquer plataforma (Sistema Operacional, etc). Além disso, pode ser incorporado a outros aplicativos conforme a necessidade/requisito/uso.

Linguagem interativa

Fácil de aprender e entender, as respostas às perguntas complexas podem ser recebidas em segundos.

Quais são os principais comandos?

O SQL define as seguintes maneiras de manipular os dados armazenados em um Banco de dados relacional.

DDL: linguagem de definição de dados

Essa linguagem inclui mudanças na estrutura da tabela, como criação, alteração, exclusão, etc. Todos os comandos DDL são confirmados automaticamente. Isso significa que ele salva todas as alterações permanentemente no banco de dados.

  • Create: criar uma nova tabela ou banco de dados;
  • Alter: alterar;
  • Truncate: apagar dados da tabela;
  • Drop: apagar uma tabela,
  • Rename: renomear uma tabela.

DML: linguagem de manipulação de dados

Os comandos DML são usados ​​para manipular os dados armazenados na tabela. Os comandos DML não são confirmados automaticamente. Isso significa que as alterações não são permanentes no banco de dados, elas podem ser revertidas.

  • Insert: inserir uma nova linha;
  • Update: atualizar a linha existente;
  • Delete: deletar uma linha,
  • Merge: mesclar duas linhas ou duas tabelas. 

TCL: Linguagem de Controle de Transação

Estes comandos servem para verificar outros e seus efeitos no banco de dados. Eles podem anular as alterações feitas, revertendo os dados de volta ao seu estado original. Além disso, podem tornar qualquer alteração temporária permanente.

  • Commit: salvar permanentemente;
  • Rollback: desfazer a mudança,
  • Savepoint: salvar temporariamente.

DCL: Linguagem de Controle de Dados

Linguagem de controle de dados são os comandos para conceder e retomar autoridade de qualquer usuário do banco de dados.

  • Grant: conceder permissão de direito,
  • Revoke: recuperar a permissão.

DQL: linguagem de consulta de dados

A linguagem de consulta de dados é usada para buscar dados de tabelas com base em condições que podemos aplicar facilmente.

Select: recuperar registros de uma ou mais tabelas.

Obs.: uso do ponto e vírgula

Vale lembrar, ainda, que toda e qualquer instrução SQL termina com um ponto e vírgula (;). Isso é necessário para encerrar todas as instruções no banco de dados. Em outras palavras, essa pontuação diz ao mecanismo de banco de dados para processar tudo antes do ponto e vírgula, indicando o fim do processamento. Você verá o ponto e vírgula usado como o último caractere nas instruções SQL.

Considerações Finais

Em resumo, existem inúmeras linguagens de consulta usadas hoje. Entretanto, a predominante é a Structured Query Language (SQL), que não deve ser confundida com o Microsoft SQL Server ou a classe de bancos de dados NewSQL.

O SQL é compatível com qualquer banco de dados e serve como base para muitas adaptações de linguagem de consulta, portanto, tornou-se um aprendizado obrigatório para a maioria dos cientistas de dados. 

Outras linguagens incluem XQuery para documentos XML, SPARQL para o modelo de dados Resource Description Framework (RDF) e outros. Independentemente do banco de dados ou da linguagem de consulta usada, existem dois tipos principais de consultas que podem ser usadas ​​para objetivos diferentes.

As consultas selecionadas retornam informações de uma ou mais tabelas. Embora este seja o tipo mais básico de consulta, ele pode ser usado para especificar quantos resultados são retornados, a ordem em que aparecem, a(s) fonte(s) usada(s) e os parâmetros para um registro a ser incluído.

Por outro lado, as consultas de ação executam um comando nos dados que foram recuperados, como excluir, alterar, criar ou atualizar. Esta consulta permite que um usuário modifique um grande número de registros em massa, em vez de um por vez.

Este foi apenas um panorama inicial sobre Query, SQL e banco de dados, mas há ainda muito o que aprender! Para tanto, não deixe de conferir conteúdos relacionados em nosso blog. Além de tecnologia, abordamos os grandes temas sobre marketing, negócios e mais! Esperamos que este artigo tenha ajudado!