O NGINX pode trazer grandes melhorias em termos de performance de um site. Saiba mais sobre suas principais vantagens e características.

Ainda hoje, o Apache continua sendo um dos servidores web mais usados, senão o primeiro da lista, com números de usuários que ultrapassam 50% de uso por todos os administradores web. 

No entanto, se olharmos apenas para os sites mais visitados, descobriremos que uma pequena porcentagem é hospedada em um servidor Apache, que foi disponibilizado pela primeira vez em 1995. 

Por um lado, isso explica-se pela forte presença de servidores do Google para hospedar os sites mais populares. Por outro lado, esse resultado também se deve à ascensão meteórica do NGINX nesse mercado. 

Há uma década, aproximadamente, esse servidor russo registrou menos de 5% de participação de mercado. Hoje, no entanto, ele representa quase 1 em cada 2 servidores entre os sites mais populares da web. Neste artigo, vamos explicar o que é NGINX e quais são as vantagens. Confira a seguir!

O que é o NGINX?

Servidor web – NGINX

O software de servidor NGINX, desenvolvido pelo programador Igor Sysoev, foi lançado em 2004. Na época, a atenção estava voltada para a necessidade de um servidor de alto desempenho que pudesse atender simultaneamente ao maior número possível de clientes web, sem consumir muitos recursos.

Dada a crescente difusão de seu servidor web, NGINX desenvolveu, junto da versão aberta gratuita, uma versão paga, chamada NGINX Plus, com suporte integrado e recursos adicionais, como um balanceador de carga.

Assim como o Apache, NGINX apresenta uma interface modular. Isso significa que diferentes funções são oferecidas nos módulos correspondentes, as quais os administradores optam por ativar ou não. Por exemplo, você pode escolher entre esses diferentes recursos:

  • aceleração do aplicativo: permite o carregamento mais rápido do conteúdo;
  • proxy reverso: possibilita que você use o NGINX como um proxy reverso (HTTP, TCP, UDP) para aceleração de upload na web ou utilização de um proxy de e-mail (IMAP, POP3, SMTP);
  • criptografia TLS: permite a troca segura de dados;
  • gerenciamento de largura de banda: associa a banda larga ideal para cada serviço oferecido;
  • balanceamento de carga: distribui solicitações para descarregar o servidor núcleo,
  • videostreaming: oferece alto desempenho para streaming de arquivos MP4 e FLV.

Enquanto o Apache abre uma tarefa ou um processo novo para cada solicitação do cliente, um servidor NGINX é orientado a eventos. Desta forma, ele pode trabalhar em solicitações de forma assíncrona, economizando RAM e tempo. Este software de servidor é compatível com uma variedade de sistemas operacionais, incluindo Unix/Linux, macOS e Windows.

Quais são as vantagens do NGINX?

  • Mais rápido e melhor para arquivos estáticos

Ao utilizar arquivos estáticos, como pdf, zip, html, mp4, jpg, gif, png, etc, pode-se comprovar o desempenho incrível do NGINX. Aqueles que querem elevar a performance do servidor web também podem adicionar cache. Devido a esse excelente serviço, a maioria das empresas de CDN de renome usa NGINX.

  • Comparado ao Apache, oferece 4 vezes mais conexões simultâneas

A superioridade do NGINX em lidar com conexões simultâneas, tempo de resposta e uso de recursos é óbvia quando comparada ao Apache. Graças a isso, ele é identificado como o servidor web mais eficiente e leve da atualidade. Quando comparado a outros servidores web, o NGINX suporta mais tráfego simultaneamente e tem uso mínimo de memória.

  • Compatibilidade

O tráfego de qualquer aplicativo web é gerenciado pelo NGINX sem complicações. Vários aplicativos, como WordPress e outros populares, são servidos por ele.

  • Suporte de balanceamento

Uma das funções mais importantes do NGINX é poder configurar o balanceamento de carga para os servidores HTTP de escalonamento rápido. Isso permite a distribuição de tráfego em diferentes servidores. 

  • Sites mais rápidos e SEO melhorado

Quase todos os principais sites, como Yahoo, YouTube, Pinterest, Instagram, WordPress e Tumblr, usam NGINX para gerenciar o tráfego, principalmente para atingir a velocidade máxima do site. A maioria das empresas CDN também o usa pelo mesmo motivo.

Há alguns anos, a velocidade do site não era motivo de preocupação para o SEO. Hoje em dia, o Google é muito claro sobre como espera que os sites sejam rápidos. A empresa já fez várias alterações no algoritmo de classificação de busca, incluindo a velocidade como requisito. 

Se um site é otimizado de forma ineficiente e veicula o conteúdo lentamente, o Google prefere ignorá-lo. Os sites mais rápidos obtêm suporte máximo do Google. Os sites lentos não conseguem receber bom tráfego dos motores de busca populares. Com NGINX, os sites têm a garantia de boa velocidade e, como resultado, obtêm uma melhor classificação pelo Google.

NGINX X Apache: quais são as principais diferenças?

Segundo o relatório feito por W3techs.com, a fatia de mercado do Nginx tem ampliado consistentemente.

Os servidores web Apache e NGINX são baseados em arquiteturas de software fundamentalmente diferentes. Existem conceitos distintos quando se trata de gerenciamento de conexão, interpretação de solicitações do cliente, tratamento de conteúdo web estático e dinâmico, além de configuração. Confira as principais diferenças a seguir!

Gerenciamento de conexão

Os servidores web de código aberto Apache e NGINX diferem principalmente na maneira como lidam com as solicitações recebidas do cliente. Enquanto o Apache é baseado em uma arquitetura orientada a processos, o gerenciamento de conexões NGINX depende de um algoritmo de processamento baseado em eventos. 

Isso permite processar os pedidos de forma a poupar recursos, mesmo que sejam recebidos simultaneamente de um grande número de ligações, sendo visto como uma grande vantagem sobre o servidor Apache HTTP. Porém, a partir da versão 2.4, o programa também oferece a possibilidade de implementação de eventos. Portanto, as diferenças estão nos detalhes.

O servidor da web Apache segue uma abordagem em que cada solicitação do cliente é tratada por um processo ou thread separado. Assim, o modo operacional original do servidor Apache HTTP, mais cedo ou mais tarde, causa problemas de bloqueio de entrada e saída.

Uma solicitação subsequente permanece no loop de espera até que a anterior seja respondida. Isso pode ser evitado iniciando vários processos de thread único simultaneamente — uma estratégia associada ao alto consumo de recursos.

Alternativamente, é possível usar mecanismos multi-threading. Ao contrário do single-threading, em que apenas um thread está disponível em cada processo para responder às solicitações do cliente, o multi-threading permite que vários threads sejam executados no mesmo processo. 

Visto que os threads no Linux requerem menos recursos como um processo, o multi-threading pode compensar os grandes requisitos de recursos da arquitetura do servidor Apache HTTP.

Por outro lado, a arquitetura de eventos do NGINX alcança a simultaneidade sem a necessidade de um processo ou thread adicional para cada nova conexão. Um único processo NGINX pode lidar simultaneamente com milhares de conexões HTTP. Isso é obtido por um mecanismo de loop, denominado loop de evento. 

Assim, as solicitações do cliente são processadas de forma assíncrona, em um único thread. Então, ao contrário do servidor web Apache, em que o número de processos ou threads ativos só pode ser limitado por valores mínimos e máximos, o NGINX oferece um modelo de processo previsível, que é perfeitamente adequado ao hardware.

Processamento de conteúdo estático e dinâmico da web

O NGINX também segue uma estratégia diferente do Apache HTTP Server quando se trata de conteúdo da web dinâmico. A princípio, para entregar conteúdo web dinâmico, um servidor web deve usar um intérprete capaz de lidar com uma linguagem de programação, como PHP, Perl, Python ou Ruby. 

O Apache fornece vários módulos que permitem carregar o interpretador diretamente no servidor web. Assim, o próprio Apache está equipado com a capacidade de processar conteúdo dinâmico web, criado com a linguagem de programação apropriada.

Por outro lado, o NGINX fornece apenas mecanismos para entrega de conteúdo estático. O fornecimento de conteúdo dinâmico é confiado a servidores de aplicativos especializados. Nesse caso, o NGINX simplesmente funciona como um proxy entre o programa cliente e o servidor. A comunicação ocorre por meio de protocolos, como HTTP e outros. 

Ambas as estratégias para lidar com conteúdo estático e dinâmico têm vantagens e desvantagens. Embora o NGINX limite-se a interagir com um intérprete externo, ambas as estratégias estão abertas aos usuários do Apache. O Apache também pode ser colocado na frente de um servidor de aplicativos que interpreta o conteúdo dinâmico. 

Interpretação de pedidos de clientes

Para ser capaz de responder satisfatoriamente às solicitações de programas dos clientes (como navegadores web ou programas de e-mail), um servidor deve determinar qual recurso é solicitado e onde ele está localizado com base na solicitação.

O servidor Apache HTTP foi projetado como um servidor web. Por outro lado, o NGINX oferece funções de servidor web e servidor proxy. Essa diferença de foco reflete-se na maneira como o respectivo software interpreta as solicitações do cliente e aloca recursos no servidor.

Os servidores Apache HTTP e NGINX têm mecanismos que permitem que as solicitações de entrada sejam interpretadas como recursos físicos no sistema de arquivos. No entanto, embora o Apache seja baseado em arquivo por padrão, o NGINX concentra-se no processamento de solicitações.

Se o servidor Apache HTTP receber uma solicitação do cliente, por padrão, ele assume que um recurso específico precisa ser obtido do sistema de arquivos do servidor.

Configuração

O NGINX oferece uma grande vantagem de velocidade sobre o servidor Apache HTTP ao entregar conteúdo web estático. Isso é parcialmente explicado por diferenças de configuração.

Além do arquivo de configuração principal, o servidor web Apache oferece a opção de administração ao nível de diretório. Os arquivos .htaccess são usados ​​para esse propósito. 

A princípio, os arquivos de configuração descentralizados podem ser implementados em qualquer diretório do servidor. As instruções definidas em .htaccess referem-se ao diretório que contém o arquivo de configuração e seus subdiretórios. 

Na prática, arquivos .htaccess são usados ​​para restringir o acesso ao diretório a determinados grupos de usuários, configurar a proteção por senha e definir regras para navegação no diretório, além de mensagens de erro, redirecionamentos ou conteúdo alternativo.

Por outro lado, o NGINX oferece apenas opções de configuração central. Ao contrário do Apache, o acesso administrativo não pode ser restrito aos diretórios selecionados. Isso tem vantagens e desvantagens. 

A configuração central do NGINX é menos flexível que o conceito do servidor Apache HTTP, mas oferece uma vantagem clara em termos de segurança: as alterações na configuração do servidor web só podem ser feitas por usuários com direitos de root 

Como já mencionamos, por padrão, o Apache segue um esquema baseado em arquivo para responder às solicitações do cliente. Como a arquitetura Apache permite configuração descentralizada, o servidor web procura um arquivo .htaccess em cada diretório ao longo do caminho. 

Todos os arquivos de configuração pelos quais ele passa são lidos e interpretados, um padrão que torna o servidor web consideravelmente lento. Deu para entender?

Esperamos que este conteúdo tenha ajudado! Não deixe de conferir mais artigos sobre tecnologia, negócios e marketing no blog da HostGator!