Em meio ao número crescente de lojas virtuais, quem deseja se destacar precisa realizar um bom planejamento estratégico para e-commerce. Afinal, o fato de estar no ambiente digital não é garantia de que o negócio irá obter sucesso.

Segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o segmento de e-commerce cresceu mais de 50% entre os meses de março e maio de 2020. Passou de 135 mil lojas ativas para 242 mil.

Desde o início da pandemia, 107 mil novas lojas passaram a vender seus produtos de forma virtual. Em tempos normais, o crescimento não passava de 10 mil novas lojas por mês – o que demonstra que muitos empresários encontraram na crise uma oportunidade para se reinventar.

Logo, se você também deseja superar a crise e alavancar suas vendas, o momento certo para desenvolver um planejamento estratégico de e-commerce é agora!

Você vai ler neste conteúdo:

Como desenvolver um planejamento estratégico para e-commerce?

  1.  Inicie o planejamento estratégico e-commerce pelo objetivo de negócio
  2. Estude o mercado e seu público-alvo
  3. Adicione estratégias de marketing no seu planejamento estratégico e-commerce
  4. Faça Benchmarking e fique por dentro das tendências
  5. Utilize o Canvas no seu planejamento estratégico e-commerce

Faça um planejamento estratégico e não fique para trás!

Como desenvolver um planejamento estratégico para e-commerce?

Neste artigo, mostraremos como fazer um planejamento estratégico de e-commerce eficiente para que você conquiste seu espaço em um mercado cada vez mais competitivo.

Acompanhe!

1 – Inicie pelo objetivo de negócio

Essa é uma das etapas mais importantes ao começar um negócio na internet. Aqui que você irá determinar seus objetivos e, portanto, a razão de ser do seu negócio. Essas informações precisam estar muito claras, pois são elas que irão nortear as demais estratégias a serem adotadas pela empresa.

Ainda neste momento, divida seus objetivos em metas claras e reais a serem batidas a curto prazo. Estabeleça prioridades e, gradualmente, vá moldando melhor suas ações.

Desta forma, você irá conseguir aproveitar melhor o potencial do mercado e, ao mesmo tempo, se adaptar sem receio de estar correndo riscos.

2 – Estude o mercado e seu público-alvo

Realizar um estudo mercadológico sobre o seu nicho de atuação é imprescindível, tendo em vista as mudanças recentes no comportamento do consumidor. Identifique demandas e oportunidades que estejam latentes, pois isso irá aumentar as chances das suas vendas dispararem rapidamente.

Além disso, faça um diagnóstico do seu público-alvo, preferencialmente o classificando em personas, personagens fictícios que representam o seu cliente ideal.

Neste tipo de definição, que envolve muita pesquisa, você consegue obter uma quantidade maior de informações sobre quem pode ter interesse real na sua marca. Com isso, consegue adaptar sua comunicação para ser o mais atrativo possível a eles.

3 – Adicione estratégias de marketing no seu planejamento estratégico e-commerce

Após criar as personas, é ideal desenhar uma jornada de compra para cada perfil. Essa etapa do planejamento estratégico de e-commerce é importante porque permite entender os formatos de conteúdo que podem ser utilizados para atrair leads e assim criar estratégias claras de marketing.

Com a jornada de compra clara, você consegue planejar os conteúdos e utilizar a seu favor as ferramentas de tráfego pago, como o Google Ads. Eles ajudam a impulsionar e qualificar os acessos ao seu site, bem como a turbinar os negócios.

Com elas, é possível criar campanhas segmentadas e direcionadas, o que ajuda você a atingir quem realmente tem perfil para comprar do seu negócio.

4 – Faça benchmarking e fique por dentro das tendências

Fazer benchmarking significa analisar estrategicamente as melhores práticas adotadas por empresas que atuam no mesmo setor que o seu.

Essa análise da concorrência é importante em um planejamento estratégico para e-commerce porque permite identificar lacunas e/ou fraquezas nas quais o seu negócio pode atuar. Dessa forma, é possível se posicionar de forma mais adequada, bem como adaptar seu portfólio.

Nesta etapa, você pode utilizar a análise SWOT ou FOFA – Força/Oportunidades, Fraquezas/Ameaças – para blindar sua loja virtual dos pontos fracos e, ao mesmo tempo, utilizar os pontos negativos das demais empresas como um diferencial competitivo seu.

É importante, ainda, estar sempre atento às novidades para não ficar para trás. Lembre-se que o processo de criação de sites é contínuo e, portanto, é preciso estar em constante atualização.

5 – Utilize o Canvas no seu planejamento estratégico e-commerce

O Canvas é um instrumento colaborativo que ajuda empreendedores a desenhar um modelo de negócio com mais clareza. Ele pode ser utilizado tanto para ajustar os processos de uma empresa já consolidada quanto para criar um novo projeto web.

Seu objetivo principal é justamente estruturar um modelo de plano de negócio inovador, que traga dinamismo na avaliação da empresa e, especialmente, auxilie a obter melhores resultados

O modelo Canvas é dividido em dois hemisférios, assim como ocorre com o cérebro humano:

  • No lado esquerdo, ficam as informações lógicas;
  • Na direto, estão as informações relacionadas a assuntos emocionais.

Ele é subdividido em 9 quadrados, que, na realidade, são os fatores a serem avaliados. São eles:

  1. Segmento de clientes: Nicho de atuação da loja virtual;
  2. Proposta ou oferta de valor: O que você irá vender para satisfazer as necessidades do mercado e como irá agir para atingi-lo da melhor maneira;
  3. Relacionamento: Modo com que os clientes se relacionam com os principais nichos do mercado;
  4. Canais: De que forma os clientes irão conhecer seus serviços ou produtos, ou seja, se apenas através da loja virtual ou também pelas redes sociais;
  5. Fontes de receita: De onde virá o dinheiro para realizar os investimentos, se através das vendas ou de empréstimos, por exemplo;
  6. Recursos-chave: São os recursos principais para que a sua atividade seja desempenhada, como funcionários, equipamentos e infraestrutura;
  7. Atividades-chave: Principais atividades que devem ser realizadas para que o negócio aconteça, como contato com fornecedores, atualização de estoque e criação de materiais de publicidade;
  8. Parcerias-chave: São as atividades ou recursos que precisam ser adotados de forma terceirizada, como a contratação de um criador de sites e a parte de transporte dos produtos;
  9. Estrutura de custos: São os custos relevantes para que seja possível concluir o planejamento estratégico e-commerce e finalmente colocá-lo em prática.
canvas

Faça um planejamento estratégico e não fique para trás!

Seja através do Canvas ou de outra ferramenta, a questão é que o planejamento estratégico para e-commerce é essencial. Sem ele, você não saberá o que esperar do seu negócio, quem são seus clientes e quais ações pode atrair mais visitantes à loja virtual, por exemplo.

Logo, estará agindo sem processos, aumentando os riscos do seu negócio não dar certo.

Se você ainda ficou com alguma dúvida ou deseja entender essas etapas com mais clareza, inscreva-se agora mesmo no curso de Planejamento estratégico de e-commerce. É gratuito!