Guia_rapido_negocio_na_internet

Guia rápido para começar seu negócio na internet

sexta-feira, 12 de junho de 2020 | Comentários

Escrito por

Ouça o conteúdo deste post clicando no player abaixo!

A aceleração da transformação digital nos últimos meses fez com que muitas pessoas migrassem para o e-commerce na tentativa de começar um negócio na internet e continuar vendendo durante esse período.

Mas nem todos sabem ao certo como dar o primeiro passo com agilidade e eficácia.

O processo para começar o seu negócio na internet é bem mais simples do que parece, você só precisa ter em mente algumas dicas e o auxílio necessário para iniciar esta caminhada.

E, para te ajudar nessa etapa crucial para o progresso das suas ideias de negócios, fizemos este Guia Rápido para começar o seu negócio na internet.

Ao ler este artigo, você terá em mente todo o seu caminho a ser percorrido para concretizar a sua ideia de negócio e vender online. Boa leitura!

Guia rápido para começar seu negócio na internet

1- Planejamento

A primeira fase da construção de um e-commerce tem como base o planejamento. Afinal, ele é a base de tudo e faz com que você tenha um horizonte a ser seguido.

Dentro do planejamento, você precisa pensar em 3 questões:

  1. O que vender (produto);
  2. Para quem vender (público alvo e persona);
  3. Quem vai me fornecer.

O que vender?

O mais importante ao escolher o produto ideal para o seu negócio é procurar por algo que tenha relação com um assunto que você goste, os seus hobbies.

Por exemplo: Você pratica exercícios todos os dias e ama assistir aos canais de esporte, sabe falar com propriedade e entende bem do assunto.

Por que não vender artigos esportivos? Além de ser algo que você já conhece bastante, essa categoria de produtos teve alta significativa nas vendas durante a quarentena (187,90%, segundo levantamento feito pela Konduto).

Desta maneira, você já terá uma ideia do público-alvo que quer atingir e saberá qual a melhor forma de se comunicar com essas pessoas.

Além disso, a caminhada do empreendedorismo não é fácil e, ao longo do trajeto, muitas barreiras poderão surgir, o que pode fazer você desistir.

Mas, se for um produto que você gosta, tem carinho e acompanha tudo o que está ao redor, as chances de desistir serão bem menores.

Para quem vender?

Agora que você já escolheu o seu produto, é hora de saber o perfil das pessoas que você quer atingir – ou melhor, os seus clientes em potencial. Para isso, você precisa descobrir quem é o seu público-alvo.

O que você deve levar em consideração:

  • Faixa etária;
  • Gênero;
  • Informações geográficas (onde moram);
  • O que gostam de fazer;

Por exemplo: mulheres, de 18 a 30 anos, moradoras do Rio de Janeiro e que gostam de praticar exercícios. Com essas informações, você tem um público direcionado.

Mas o ideal é você segmentar ainda mais e criar uma personificação fictícia para simbolizar o seu cliente: a sua persona.

Para saber quem é a sua persona, você precisa aprofundar-se mais e fazer pesquisas ou entrevistas com essas pessoas que fazem parte do seu público-alvo. Assim, você saberá a melhor maneira de se comunicar e auxiliá-las na jornada de compra.

Quem vai fornecer?

Na última etapa do planejamento, você vai fazer uma boa pesquisa no Google para encontrar os fornecedores perfeitos. Você pode olhar também comunidade no Facebook ou ir para rua atrás dessas pessoas.

Essa é uma fase que pode demorar um pouco, mas, se bem feita, dará um leque de opções de fornecedores com os quais pode trabalhar.

Atenção: é importante que tenha, pelo menos, 3 fornecedores na sua lista, sendo um o principal e os outros 2 como forma de prevenção.

Com a crise do novo Coronavírus, muitas pessoas que dependiam de fornecimento do exterior ficaram de mãos atadas, com produtos atrasados. Isso pode prejudicar bastante, então é sempre bom ter outros fornecedores em mente – e próximos.

2- Estrutura

É, o e-commerce também precisa de estrutura, como faria numa loja física. No entanto, essa estruturação é diferente.

Além de internet, espaço para estoque e embalagens, você também precisa de:

CNPJ

Uma empresa séria deve possuir um CNPJ. A partir disso, terá os impostos recolhidos de forma pertinente e também poderá gerar nota fiscal para seus clientes – o que traz mais credibilidade para a marca.

Nome da marca

A ideia é que o nome da sua marca seja simples, objetivo e original para que o cliente entenda com o que você trabalha desde o primeiro contato.

Se você já tem o nome da sua marca, é importante que vá até a Junta Comercial ou o Cartório mais próximo para registrar esse nome e você não correr o risco de perdê-lo para outra pessoa.

Domínio e Hospedagem

É importante garantir um domínio (endereço do site) com o nome da sua marca, além de hospedagem para sua futura loja virtual.

3 – Audiência

Esse é o momento de criar as suas contas comerciais nas redes sociais, principalmente no Facebook e no Instagram, para ter a sua própria audiência e engajá-los com a sua marca.

Esses perfis, além de servirem como vitrine da sua loja, são uma forma de entrar em contato com os seus clientes em potencial e alcançar mais pessoas.

É importante que você faça um planejamento de conteúdo para postar diariamente nas suas contas, mantendo-as ativas.

É aqui que você vai perceber a importância de saber muito sobre o assunto que envolve o seu produto.

Por exemplo: Se você optou por vender produtos da categoria de pet shop, você pode criar posts dando dicas de como cuidar do pet durante a quarentena.

Isso faz parte do posicionamento da marca na mente do cliente, mostrando os valores e os propósitos que a sua marca tem com o público e outras questões que tenham relação com a temática do seu trabalho.

Ao engajar com seu conteúdo, essas pessoas vão começar a ver seu negócio como referência e irão te indicar para outras pessoas, compartilhar suas publicações, interagir.

Ou seja, de forma orgânica e natural, a sua audiência fará o marketing da sua marca.

4 – Atendimento

O atendimento ao cliente é uma etapa crucial para o seu negócio. Os seus clientes vão ter diversas dúvidas e questionamentos durante a jornada de compra e é seu dever saná-las, independentemente do canal.

Quando respondemos os clientes, criamos uma relação mais próxima e direta. Essa relação é muito importante para finalizar uma compra, esclarecendo as dúvidas e tornar a experiência de compra o mais agradável possível.

Desta forma, esse cliente que ficou satisfeito com todas as etapas de compra terá o grande potencial de voltar a comprar de você, além de te indicar para outras pessoas.

5 – Vendas

Enfim, chegamos na etapa mais esperada por todos que querem começar um negócio na internet.

Se você já tem um negócio validado na internet e quer expandi-lo, pode começar a pensar em criar a sua loja virtual. Analise tudo o que você precisa em uma loja virtual, como a quantidade de produtos que ela suporta cadastrar, se o atendimento é feito 24h etc.

Se você estiver usando o WordPress para o seu site/blog, uma dica na hora de transformá-lo em e-commerce é ter o plugin do WooCommerce. Ele é gratuito e permite que a sua loja virtual seja construída de forma simples.

E, para começar a gerar tráfego, você pode investir em anúncios no Google Ads ou Facebook Ads.

Possuir um site próprio vai deixar a sua marca mais profissional. Lá, você pode contar um pouco da sua história e usar a plataforma como um outro canal de audiência, alimentando com conteúdos para o seu público.

Se a sua marca é nova e ninguém a conhece por enquanto, você pode iniciar as vendas em plataformas que já tenham alto volume de tráfego. Isso vai ajudar na fase de validação do produto.

Orientamos a todos os empreendedores de primeira viagem no e-commerce que comecem a vender nos principais marketplaces do mercado, como o Mercado Livre, a B2W (Americanas, Submarino e Shoptime) e Magazine Luiza.

Todas esses lugares já são consolidados no mercado online e milhares de pessoas os acessam para fazer algum tipo de compra. Ou seja, o seu cliente em potencial já está comprando dentro dessas plataformas.

Basta se cadastrar, montar o seu catálogo de produtos e preencher os espaços com todas as informações necessárias. É importante que tenha uma descrição detalhada com marca, cor, tamanho e estoque disponível. Tudo o que for relevante para o seu cliente não ter dúvidas.

Lembre-se: você pode anunciar em mais de um marketplace, se quiser. Isso, inclusive, pode aumentar o seu potencial de vendas. No entanto, para se ambientar, indicamos que comece com um só.

Veja aqui a lista com os principais marketplaces do mercado.

6- Divulgação com anúncios

Com o produto validado, é hora de impulsionar as vendas através de anúncios.

Não espere que os seus clientes venham até a você num piscar de olhos. Você precisa atrair essas pessoas para dentro da sua loja por meio de anúncios.

O valor é bem acessível e é um investimento muito importante para você alcançar cada vez mais pessoas.

Assim como nos marketplaces, as redes sociais também possuem opções de anúncios, remarketing e impulsionamento de conteúdos.


Feito isso, a sua empresa já tem uma boa base para começar. Sabemos que você está ansioso para realizar as primeiras vendas, mas, para que você comece da maneira certa, sem ter prejuízos, siga todos os passos aqui apresentados.

Inscreva-se gratuitamente no curso “Introdução ao Google Ads” e coloque já sua campanha no ar!

Tenha um e-commerce de sucesso

Para ter um e-commerce validado e altas vendas acesse os cursos e conteúdos do Ecommerce na Prática, que já apoiou a criação de crescimento de mais de 14 mil negócios online pelo Brasil.

Tags:, , , , ,
Comentários
Pressione Enter para pesquisar ou ESC para fechar