Está sem tempo de ler? Clique no player abaixo e ouça o conteúdo deste post! Posicionar um site entre os primeiros do Google pode ser muito relevante, principalmente se a palavra-chave em questão possuir um bom volume de buscas. Empresas investem pesado em trabalhos de SEO para atingir bons posicionamentos. Porém, muitas vezes, cometem falhas […]
Está sem tempo de ler? Clique no player abaixo e ouça o conteúdo deste post! Posicionar um site entre os primeiros do Google pode ser muito relevante, principalmente se a palavra-chave em questão possuir um bom volume de buscas. Empresas investem pesado em trabalhos de SEO para atingir bons posicionamentos. Porém, muitas vezes, cometem falhas básicas que podem influenciar negativamente neste resultado. Neste artigo iremos citar alguns fatores que podem fazer uma grande diferença no posicionamento orgânico e na audiência do site de sua empresa. Vamos a eles?

1 – Desempenho

Um dos princípios básicos que o algoritmo do Google visa proteger é a boa experiência do usuário que faz a pesquisa no buscador. E não há pior experiência que entrar em um site que demora a carregar. Mesmo sem considerar as questões de posicionamento no Google, veja o que um site lento pode ocasionar com base em uma pesquisa publicada no site Neil Patel:
  • 47% dos consumidores tem a expectativa que uma página na internet seja aberta em 2 segundos ou menos.
  • 40% das pessoas abandonam um site que leva mais de 3 segundos para abrir.
  • Um atraso de 1 segundo na resposta da página pode resultar na redução de 7% nas conversões / vendas.
Se o desempenho tem todo este impacto para os usuários, é claro que o Google considera isso como um grande peso no seu ranqueamento. Dentre os principais fatores que podem prejudicar o tempo de carregamento de seu site, destacamos:
  • Hospedagem: Um dos vilões de seu desempenho pode ser a sua hospedagem. O tempo de resposta e processamento tem impacto direto no tempo de carregamento de suas páginas. Por isso, escolha um serviço de hospedagem de sites confiável;
  • Imagens mal otimizadas: Para que os sites possam exibir imagem maiores, os profissionais reduzem o tamanho das imagens diretamente no código HTML. Essa prática pode ser prejudicial, pois aumenta o número de arquivos e diminui a velocidade das páginas;
  • Cache: Nos tempos atuais, usar cache em um site é fundamental. Ele permite que o carregamento do site seja mais rápido, gerando melhor desempenho e experiência ao usuário;
  • Compactação de HTML / CSS: Existem vários plugins que fazem esta compactação de forma automática, especialmente em se tratando de WordPress. Ela reduz o tamanho dos arquivos através da retirada de dados desnecessários, sem afetar o seu funcionamento;
  • Carregamento Assíncrono: É a possibilidade de carregar códigos script e CSS em tempo simultâneo. Para que ele ocorra, é necessário incluir uma tag nos trechos de código. O carregamento assíncrono melhora o desempenho, resiliência e evita atrasos de renderização na página.
Uma ferramenta muito utilizada para avaliação de desempenho de sites e apontamento de erros é o Google Page Speed Insights. [insert_link frase=”Veja também:” href=”https://www.hostgator.com.br/blog/ferramentas-gratuitas-para-testar-o-carregamento-do-seu-site/ ” title=”5 ferramentas gratuitas para testar a velocidade de carregamento do seu site” target=”_blank”]

2 – Usabilidade

A cada dia que passa o Google dá mais peso para os famosos “User Signals” ou sinais dos usuários. Através desses comportamentos, o algoritmo é capaz de entender se a qualidade de um determinado site é satisfatória e atende as demandas dos usuários. Para isso, várias métricas são utilizadas, mas as principais são: Taxa de Rejeição e o CTR (Click Through Rate). A Taxa de Rejeição é medida pelo percentual de usuários que visitam uma determinada página e, ao invés de continuar navegando em seu site, deixam ele. Isso pode significar que estes usuários não ficaram satisfeitos com o conteúdo que encontraram e/ou necessitam de mais informações para completar a pesquisa. Para melhorar estes índices, é preciso prestar atenção na usabilidade, conteúdo e linkagem interna de seus posts (quando falamos de um blog ou portal de conteúdo). Já o CTR é medido pelo percentual do volume de cliques em função do volume de pesquisas para aquele termo no Google. Se uma determinada página é listada 100 vezes e ocorrem 32 cliques neste resultado, o CTR é de 32%. Este indicador mostra para o Google que determinada página é relevante ou não para determinada pesquisa.

3 – Conteúdo de Qualidade

A qualidade de conteúdo é um dos fatores primordiais para um bom posicionamento orgânico no Google. Atualmente, o algoritmo já é capaz de saber o quão completo e relevante é um conteúdo frente a determinado assunto. Existem dois conceitos importantes para um bom conteúdo: os Proof terms e os Relevant terms:
  • Proof terms: Ou termos de prova, são muito relacionados ao conteúdo e devem ser citados para que ele seja mais completo. Imagine que seu post seja sobre churrasco. Citar termos como carne, carvão, espeto, linguiça e frango é fundamental para que ele seja relevante. Caso faltem, o Google pode entender como algo incompleto;
  • Relevant Terms: Ou termos relevantes, são diretamente relacionados mas não necessariamente obrigatórios.
Seguindo o exemplo do churrasco, são termos como domingo, feriado, fim de semana, piscina, que podem (ou não) serem considerados relevantes ao conteúdo. Quanto maior a variedade de termos relevantes, maior a probabilidade do conteúdo ser avaliado como completo.

4 – Link Building

Quando feito corretamente, o link building pode ajudar para o sucesso de um bom posicionamento no Google. Aqui é importante destacar a quantidade e, principalmente, a qualidade de referências que um site recebe através de links. Para começar a obter seus primeiros links, é preciso ter em mente os seguintes conceitos:
  • Relevância: A página de origem deve ser relevante à página de destino. O Google entende que páginas com assuntos distintos agregam menos valor umas às outras.
Muito se discute a respeito deste tema mas, no mínimo, obter muitos links irrelevantes pode levantar suspeita de um trabalho artificial para obtenção de backlinks;
  • Autoridade da origem: Quanto maior for a autoridade do site que está linkando para o site de sua empresa, maior a credibilidade que ele transmite através do link.
Por isso, é uma boa prática obter links de sites que tenham uma ótima autoridade na internet;
  • Mensuração: Existem ferramentas na internet especializadas em mensurar o nível de autoridade de um site. Você pode consultar uma delas para ter uma métrica precisa, como por exemplo a Small Seo Tools, Alexa e Ahrefs.
  • Tempo de domínio: Domínios mais antigos tendem a transmitir maior credibilidade do que domínios novos.
  • Tipo do Link: Segundo o Google, links marcados com a tag nofollow não são seguidos. Isso dá a entender que estes links não geram peso para seu site quando eles são criados.
Existem especialistas que discordam e entendem que estes links contribuem sim, mas por via de regra, eles não geram peso. Se bem trabalhados com consistência, todos estes fatores podem influenciar positivamente no posicionamento orgânico de um site no Google. Boa sorte! Assine a nossa newsletter e fique sempre por dentro sobre o mundo da tecnologia!