O GitHub é uma plataforma de hospedagem de repositórios Git que permite que pessoas sugiram modificações em projetos e compartilhem conhecimento. Ele também é considerado uma grande rede social, que junta 40 milhões de desenvolvedores do mundo ao redor de discussões sobre software livre. Neste artigo, você vai conhecer a origem do GitHub, como ele […]

O GitHub é uma plataforma de hospedagem de repositórios Git que permite que pessoas sugiram modificações em projetos e compartilhem conhecimento.

Ele também é considerado uma grande rede social, que junta 40 milhões de desenvolvedores do mundo ao redor de discussões sobre software livre.

Neste artigo, você vai conhecer a origem do GitHub, como ele funciona na prática e, ainda, suas diversas funcionalidades no mundo da programação. Confira!

O que é GitHub?

Para entender o que é o GitHub e o seu funcionamento, é essencial explicar o que é o Git. Afinal, quase tudo nele gira em torno do Git.

É o sistema de versionamento que serve para manter os arquivos íntegros. Ele permite realizar operações de recuperação e alterações nos projetos – sempre mantendo cópias de todas essas modificações realizadas.

o GitHub é o local que vai centralizar o seu repositório Git, hospedando na nuvem e permitindo que outras pessoas possam realizar essas mesmas operações nesse repositório.

Nele, o código é centralizado, permitindo que outras pessoas possam fazer cópias, alterações e enviar suas próprias versões com alterações para o dono do repositório avaliar e incluir ou não no projeto.

É importante destacar que ele está em constante evolução e um grande exemplo é o GitHub Actions, que permite criar fluxos de trabalho personalizados.

No final de 2019, o próprio GitHub Actions passou a suportar CI/CD, ou seja, Integração Contínua e Entrega Contínua. Com isso, ficou muito mais simples automatizar os processos de build, test e deploy dos projetos.

Quando surgiu o GitHub?

Lançado em 2008, ele teve a mão de 4 desenvolvedores ao longo da sua criação: Chris Wanstrath, J. Hyett, Tom Preston-Werner e Scott Chacon.

Para o seu desenvolvimento, a tecnologia escolhida na época foi o Ruby on Rails, que, segundo relatos de um ex-funcionário, é o framework utilizado até hoje.

O GitHub foi aceito muito rápido pela comunidade. Para ter uma ideia, um ano após o seu lançamento, em 2009, já existiam mais de 90 mil repositórios públicos. Em 2010, superou 1 milhão e em 2013, 10 milhões.

O último grande marco do GitHub foi em 2018, quando foi comprado pela gigante Microsoft por $ 7.5 bilhões de dólares.

O GitHub se tornou a maior comunidade de código aberto do mundo, contando com mais de 45 milhões de repositórios Git, além de 40 milhões de membros.

Como o GitHub funciona?

Vamos supor que acabamos de iniciar um projeto e queremos deixá-lo disponível para outras pessoas contribuírem. Então, vamos iniciar o repositório Git na nossa máquina local e transferir o código-fonte para esse repositório.

Depois, acessamos o GitHub, criamos um repositório na plataforma e, com apenas alguns comandos, é configurada a conexão entre o nosso repositório local e o GitHub. Feito isso, basta utilizar os comandos Git para transferir esse código local para o GitHub.

Agora, o projeto está disponível para qualquer desenvolvedor. Qualquer um pode acessá-lo com apenas um comando e fazer uma cópia exata do repositório que acabamos de criar e que está no GitHub na nossa máquina local.

Com a cópia desse código no computador, é possível ficar à vontade para estudar, entender e promover melhorias no código.

Depois de alguns comandos, o desenvolvedor pode enviar essas alterações para o repositório do proprietário no GitHub, que nesse caso somos nós. Se acharmos interessante, adicionamos no projeto.

Esse processo de enviar uma solicitação de alteração do código se chama pull request. Já para aceitar, o proprietário realiza um Merge, que consiste em unir os códigos e deixar no repositório original a nova versão da aplicação com as modificações.

Deu para ver que de uma forma muito simples é possível ter uma cópia completa de qualquer projeto do GitHub, bem como enviar contribuições diretamente para o criador desse repositório.

Qual a importância do GitHub?

Para provar como o GitHub teve um papel super importante na democratização do compartilhamento de softwares, vamos voltar no tempo, na época em que ele e o Git não existiam e a comunicação era quase toda feita por e-mail.

Antes, era preciso baixar todo o projeto através de um Zip ou mesmo de um repositório SVN, um sistema de versionamento centralizado.

Depois era necessário criar o patch, onde estariam dispostos os ajustes. Em seguida, enviar um e-mail para o criador do projeto explicando os motivos e especificações técnicas das alterações.

Todo esse processo era totalmente manual e burocrático. Afinal, não existiam muitas ferramentas que auxiliavam no envio de uma alteração e também na checagem por parte do criador do projeto.

Um dos diferenciais do GitHub é que pode ser utilizado por qualquer desenvolvedor de forma gratuita.

Além disso conta com planos pagos que disponibilizam mais recursos e atendem melhor principalmente às empresas.

Apesar da sua fama, ele não está sozinho no mercado. Seus dois principais concorrentes são Gitlab e BitBucket.

Este último, durante um longo período, apresentava a vantagem de disponibilizar repositórios privados de forma gratuita, essencial para aqueles projetos que não podem estar acessíveis a qualquer desenvolvedor.

Hoje, entretanto, o GitHub também oferece esse serviço, graças à Microsoft.

Principais funcionalidades do GitHub

Apesar de ser conhecido devido a essa funcionalidade, o GitHub não é apenas um local para hospedar repositórios. De uns anos para cá, ele se tornou uma das principais redes sociais de desenvolvedores.

Além disso, a plataforma mantém o histórico de todas as atividades realizadas pelos seus usuários. Seja enviando Commit para os seus projetos, relatando problemas em outros repositórios ou enviando suas próprias contribuições, tudo fica salvo no seu perfil.

Com isso, ele passou a ser também uma ferramenta muito utilizada pelos Headhunters de empresas. Eles selecionam candidatos para possíveis oportunidades de emprego analisando seus perfis na plataforma.

Devido a esse benefício extra, se você tem um projeto ou está trabalhando em um, não pense duas vezes em colocar no GitHub. Se tem um conhecimento específico em uma ferramenta ou linguagem, contribua para algum projeto.

Com isso, estará alimentando essa grande máquina open source, além de se autopromover, aumentando as chances de ser encontrado para uma futura oportunidade.

Nunca se teve tantos projetos e contribuições de código aberto o GitHub tem sua grande parcela nessa situação. Inclusive, ele é considerado um divisor de água na comunidade open source.

Quer saber mais sobre o assunto? Então acesse o vídeo que o canal Código Fonte TV publicou sobre ele.

E não esqueça de assinar a nossa Newsletter para ficar sempre por dentro das novidades do nosso blog!