Veja dicas de como trabalhar como freelancer e entenda mais sobre as características desse modelo de trabalho. Confira nosso post!

Trabalhar como freelancer já foi sinônimo de instabilidade e insegurança para muitas pessoas. Porém, hoje a atividade está em expansão e ganhou espaço até mesmo na nova Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), com os chamados trabalhadores intermitentes.  

De acordo com o Relatório de Trabalho Independente e Empreendimento realizado pela Workana, empresa de contratação de freelancers, o número de projetos para profissionais freelancers cresceu 30% no primeiro semestre de 2019 em comparação ao mesmo período do ano anterior.  

Segundo a mesma pesquisa, as áreas que mais contratam são: tecnologia da informação e programação, design e multimídia, tradução e conteúdo. Quem pensa que essa carreira é mais fácil que as outras está completamente enganado, pois ela exige igual dedicação e capacitação. 

Afinal, se você for um bom profissional, será chamado para novos projetos e também será indicado para outros clientes, o que aumenta suas chances de se consolidar no mercado. 

Assim, para que você tire todas as suas dúvidas sobre como trabalhar como freelancer, vamos explicar agora as principais responsabilidades desse modelo de trabalho e o que você precisa fazer para alavancar sua carreira ao trabalhar por conta própria.

Tópicos abordados neste artigo:

  • O que é um freelancer;
  • Como se tornar um freelancer;
  • Características do trabalho como freelancer;
  • Como conseguir os primeiros clientes,
  • Crie um site profissional.

O que é um freelancer

O freelancer é um profissional que presta serviços para empresas e pessoas de forma autônoma. Após a reforma trabalhista de 2017, essa atividade ganhou regularização com a implantação do chamado trabalho intermitente, que requer um contrato específico de prestação de serviços.

Esse modelo de contrato deve conter uma série de condições, como valor da hora trabalhada e outros deveres e direitos das partes. Pode ser acordado, por exemplo, que o freelancer terá direito a férias e décimo terceiro pagamento.

Outro aspecto trazido pela nova CLT foi a regularização do trabalho remoto, algo que, mesmo antes da pandemia do novo coronavírus, já ganhava força no mercado. 

Como se tornar um freelancer

Após entender o que é freelancer, para se tornar um é preciso saber o que você pode oferecer ao mercado. Esse ramo possui muitos redatores, fotógrafos, desenvolvedores de sistemas e designers, mas praticamente qualquer profissão pode ser exercida de maneira autônoma.

Se você já possui um diploma ou experiência na área em que deseja atuar, está no caminho certo para a carreira de freelancer. Caso sua profissão não tenha muito a ver com essas demandas — que são mais abundantes na internet —, existem diversos cursos on-line que podem dar a você um melhor direcionamento.

No caso dos redatores, há demanda por profissionais de segmentos específicos — moda, tecnologia, gastronomia etc —, mas todos precisam ter noções gramaticais e até mesmo de marketing digital para se colocar no mercado. A Hubspot e a Rock University oferecem cursos on-line gratuitos e pagos para essa categoria.

A divulgação do trabalho também é importante. Seja na criação de um site profissional que mostre seu portfólio, em perfis nas redes sociais, como o LinkedIn, em participação em comunidades ou grupos virtuais que ajudem no networking. 

Características do trabalho como freelancer

O fato é que a vontade de trabalhar como freelancer muitas vezes é motivada pela liberdade que esse tipo de ocupação possui. Isso, em partes, pode até ser verdade, mas, para ter bons resultados nessa carreira será necessário ter muita disciplina.

Caso você seja o tipo de pessoa que só consegue concluir as tarefas se alguém estiver te cobrando constantemente ou tem dificuldades em organizar sua agenda, será muito mais difícil alcançar sucesso nesse ramo.

Apesar de ter autonomia para escolher as atividades e a faixa de horário em que vai se dedicar aos trabalhos ao longo do dia, continuará tendo prazos e/ou metas para cumprir. Além do mais, a qualidade do serviço será primordial para que você consiga uma carteira de clientes.

Inclusive, a quantidade de trabalho que você é capaz de fazer em um dia o ajudará a determinar sua produtividade média. Também precisará saber como cobrar freelancer, isto é, quanto vale cada trabalho a ser realizado.

Mais para frente, isso vai permitir que você calcule seu faturamento mensal e faça uma estimativa de qual seria a quantidade ideal de “freelas” para cobrir seus custos de vida. Aliás, trabalhar como freelancer não garante um salário fixo, pois as demandas podem variar bastante de um mês para outro. 

Como conseguir os primeiros clientes

Se você está em um emprego fixo, uma dica importante sobre como trabalhar de freelancer pela internet é fazer uma reserva equivalente a três ou seis meses da sua renda atual. Inicialmente, os projetos podem ser muito esporádicos, e, com uma reserva, você terá mais segurança. 

Também é possível começar a pegar freelas mesmo ainda prestando serviço fixo. Use fins de semana ou o fim do horário comercial para trabalhar em seus projetos remotos e vá ganhando confiança aos poucos. Assim, terá tempo para ir conquistando clientes antes de sair do seu atual emprego.

É muito provável que seus primeiros trabalhos sejam indicações, mas existem alguns sites para trabalhar como freelancer que podem ajudar. Essas plataformas são bem parecidas com sites de empregos, onde você disputa projetos com outros profissionais autônomos.

Crie um site profissional

Criar um site com seu portfólio te ajuda a mostrar seu trabalho, além de suas qualificações profissionais, currículo, carta de apresentação e informações de contato. Com um site profissional, é possível ter autonomia para criar uma página com a sua cara e que transmita a essência do seu trabalho.

Para entender mais sobre o assunto, confira nosso artigo sobre como criar seu portfólio e veja dicas para torná-lo mais profissional e, assim, conquistar mais clientes como freelancer!

Se gostou deste conteúdo, não esqueça de compartilhar! Você também pode se beneficiar com outros artigos sobre tecnologia e negócios no nosso blog.