Saber como criar uma loja virtual está se tornando cada vez mais importante, especialmente depois da pandemia do novo coronavírus. Afinal, mais do que nunca, as empresas enxergaram a necessidade de migrar para o ambiente digital para aumentar o seu alcance.

(Atualizado: 16 de agosto 2021)

Criar uma loja virtual é uma oportunidade para alavancar as vendas e, ainda, reduzir custos com estrutura física. Além de que, isso faz com que a marca em questão, seja cada vez mais competitiva, já que será encontrada de forma simples nos mecanismos de busca como Google, Yahoo, Big, etc. Por isso, uma dúvida frequente nos últimos meses é, como criar uma loja virtual?

Segundo pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), entre março e maio de 2020, foram abertas mais de uma loja virtual por minuto no Brasil. Em dois meses, a internet recebeu pelo menos 107.000 novos estabelecimentos online, oferecendo uma variedade imensa de produtos e serviços desde produtos de higiene a produtos de decoração.

E lá vai uma curiosidade, você sabia que é possível criar uma loja virtual sem estoque e ainda alcançar o lucro que você deseja? 

Ficou interessado? Neste artigo, vamos te mostrar todos os pontos importantes, os benefícios e o que você deve considerar antes de criar uma loja virtual. Vem conferir!

Conteúdos:

Por que criar uma loja virtual?

Não é novidade que o e-commerce segue em alta no Brasil. Segundo dados do Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital, em dezembro do ano passado, o segmento registrou uma alta de 53,83% em relação ao mesmo período de 2019. 

No entanto, no início de toda empresa, há uma série de circunstâncias que podem dificultar a abertura e o funcionamento do empreendimento. Porém, isso não é motivo para desespero, já que os desafios são perfeitamente normais. 

Um dos problemas mais comuns em negócios na internet é a falta de dinheiro para investir em um estoque inicial de produtos da loja virtual. Assim, é interessante saber que é possível começar um loja online, sem contar com estoque.

Portanto, com um bom plano de negócios e ações assertivas, fundar uma loja virtual sem estoque pode valer muito a pena. Porém, lembre-se de que essa ausência de estoque deve ser uma solução pontual, pois o ideal é investir em um estoque mínimo de mercadorias.

O que é preciso para criar uma loja virtual?

1) Planejamento

Assim como nas lojas e empreendimentos físicos, na hora de montar uma loja online também é necessário criar um planejamento estratégico. Essa será a primeira etapa para abrir uma loja online, já que ao realizar o planejamento estratégico você definirá o público que deseja alcança, fará uma pesquisa de mercado e analisará os potenciais concorrentes do seu ecommerce.

Também será nessa etapa que vai ser definido o investimento necessário para iniciar o ecommerce e sera formada a estrutura de todo o processo interno da empresa.

Em todos os segmentos, você tera concorrentes diretos e indiretos, e alguns deles terão muita credibilidade. Para competir e se diferenciar, é importante que você defina um nicho específico de mercado para atualização da sua empresa. Observe as necessidades do seu público objetivo para definir seu catálogo de produtos e para encontrar um diferencial no seu serviço.

Além disso, tente registrar todos os gastos que terá no futuro em sua empresa, tanto nas questões físicas, até questões digitais ou virtuais como, por exemplo, no registro do domínio do seu ecommerce.

Se liga nessas dicas do Bruno de Oliveira, do Ecommerce na Prática, para aprender entender mais!

E lembre-se também de pesquisar toda a legislação que envolve o e-commerce.

2) A hora de ficar online

Logo após realizar a viabilização e o planejamento do seu negócio, chegou a hora de colocar seu ecommerce no ar.Para isso, é necessário seguir alguns passos, vamos lá?

  • Escolher e registrar um domínio
    O domínio é da sua loja online (o nome do seu site web), em outras palavras, o domínio é o meio pelo qual seu clientes e potenciais clientes acessarão seu ecommerce. Para conseguir utilizar o domínio, você precisa confirmar a disponibilidade, quer dizer, se nenhuma outra empresa ou pessoa física esta usando esse nome de domínio em outro site. Após verificar que o domínio esta disponível é possível realizar o registro.
  • Adquirir um serviço de hospedagem
    O domínio faz referência ao nome do seu ecommerce. Para ter a garantia de que ele vai estar disponível na internet é necessário optar por um bom serviço de hospedagem de sites. É na hospedagem que ficam armazenados os arquivos, informações, imagens e qualquer outro conteúdo do seu site. É através desse serviço que você garante a disponibilidade de acesso constante na internet. Para entender melhor qual hospedagem se encaixa melhor a suas necessidades, acesse este post.
  • Plataforma de e-commerce
    Entre os três pontos fundamentais para criar seu ecommerce, escolher em que plataforma o criará será seu primeiro desafio. É preciso escolher com cautela, já que este ser o sistema central da sua loja virtual, em outras palavras, o sistema que se encarregará de manter sua loja no ar. Existem muitas opções de hospedagem para a criação de uma loja virtual, ao escolher a opção ideal para você, não pense somente nas necessidades iniciais do seu projeto, pense também na possibilidade de crescimento terá seu ecommerce. Se a plataforma escolhida suporta esse possível crescimento, ou tem opção de escalar o serviço, então essa será uma boa escolha.

Além das opções pagas, no cPanel da HostGator você encontra também as opções gratuitas como: Magento, PrestaShop e outros – todos eles com instalação fácil e rápida através do Instalador Automático. Além do Criador de Sites que também oferece a criação de lojas virtuais, você pode começar a criação em sua Área do Cliente.

3) A escolha do layout

Quando pensamos em criar um site, logo vamos imaginando questões como layout, marca, composição de cores e design da página. Venha descobrir dicas para a construção do site do seus sonhos e assista agora à Maratona HostGator Academy Tudo Sobre Hospedagem de Sites:

O layout do seu site deve ser pensado de acordo com as características do seu e-commerce pois ele é a sua vitrine. Ao montar uma loja virtual, procure por um layout que atenda às demandas de usabilidade e responsividade.

Você deve se preocupar em ter um layout que proporcione a melhor experiência ao seu cliente e que seja acessível em dispositivos móveis, pois atualmente um site responsivo é indispensável com essa crescente utilização de smartphones. Veja algumas dicas que preparamos para você na hora de escolher o melhor tema para seu site.

Preocupe-se também com a qualidade das imagens, para que seu visitante possa ver os detalhes do seu produto. Mas lembre de realizar todas as otimizações nas imagens para não impactar no carregamento do seu site. Uma loja virtual que demora para carregar é substituída por outra que carrega mais rápido – fique atento.

4) Carrinho e Formas de Pagamento

O carrinho de compras é a alma da sua loja, então cuide muito bem dele. O processo de compra deve ser simples e rápido, por isso tenha muita atenção com o carregamento do carrinho e o tempo de processamento da compra.

Procure oferecer poucos passos na hora do cadastro – muito clientes abandonam o carrinho ao encontrar muitas informações para preencher. Ofereça ao seu cliente uma navegação fácil e intuitiva para não gerar dúvidas e inibir a compra. E não esqueça do feedback com a mensagem de sucesso ao finalizar a compra.

E falando em compras, oferecer meios de pagamento eficientes e seguros é um ponto essencial para qualquer loja virtual – pois é necessário que o cliente tenha confiança na hora de efetuar o pagamento.

Por isso, analise bem as opções disponíveis no mercado e escolha as formas de pagamento que fazem mais sentido para seu objetivo e seu público.

5) Segurança

Segurança é um dos cuidados indispensáveis se você vai montar uma loja online. Para inserir os dados, o cliente precisa sentir que sua loja oferece todos os mecanismos de privacidade e proteção das informações.

Há diversos métodos que podem ser adotados para garantir a segurança em sua loja. Abaixo citamos alguns exemplos:

  • Utilizar um Certificado SSL
    O SSL funciona como proteção de dados e informações financeiras dos clientes, com ele a troca de dados entre o navegador e o servidor são criptografadas. Esse certificado é o famoso ‘cadeado’ no navegador.
  • Scan de Aplicações
    Realizar scan em busca de vulnerabilidades em seu site previne que pessoas mal intencionadas acessem o seu banco de dados para roubar informações. Adotar essa prática diminui as chances de invasão em seu site.
  • Manter aplicações, plugins e módulos atualizados
    Manter os plugin e aplicativos sempre atualizados vai ajudar a segurança do seu site, considerando que os desenvolvedores de softwares realizam atualizações para aprimorar códigos ou corrigir possíveis erros – que podem ser explorados por hackers para inserir códigos maliciosos que danificam as páginas ou capturam dados importantes.
  • Cuidados com o computador pessoal
    Além de cuidas dos plugins e aplicações relacionadas a sua hospedagem e site web, é necessário cuidar também do seu comutador pessoa, já que é através dele que você acessa sua hospedagem para criar e gerenciar seu ecommerce, então se seu computador estiver infetado com um malware, ele pode comprometer seus dados. Para prevenir, contrate um antivírus e realize scans de limpeza periodicamente.

6) Logística

A grande vantagem de montar uma loja virtual é a logística e número de funcionários reduzidos. Embora seja mais fácil garantir o controle, a falta de organização pode comprometer o seu e-commerce e gerar muitas reclamações. Confira alguns cuidados essenciais:

  • Mantenha um controle rigoroso de estoque: garanta que seu estoque esteja de acordo com a disponibilidade do produto em seu site, no caso de itens de vestuário, informe as numerações e cores disponíveis.
  • Seja pontual nas entregas: atraso nas entregas é uma das principais reclamações relacionadas a lojas virtuais. Para não ter esse tipo de problema, organize uma sequência de despacho dos produtos. Caso você escolha trabalhar com os Correios, ofereça ao cliente a opção de contratar uma entrega rápida – como o Sedex e informe os prazos de entrega. Se for optar por uma transportadora, é aconselhável que feche contrato com uma empresa.
  • Canais de atendimento: sempre deixe os canais de contato com sua empresa disponíveis, seja via telefone, e-mail ou redes sociais. É importante que o atendimento seja sempre atencioso e rápido, e que qualquer demanda seja atendida com eficiência. Criar uma Área do Cliente para que ele possa acompanhar o andamento do pedido e prazos de entrega é uma ótima opção também.
  • Pós-venda: crie uma Política de Trocas, da mesma forma que tem em uma loja física – respeitando o Código de Defesa do Consumidor. Estabeleça prazos e condições para as trocas, além de possíveis ajustes de preços ao adquirir peças promocionais.

7) Estratégia de Marketing

Com todas essas áreas definidas, é hora de divulgar sua loja online. A internet oferece milhares de opções, e é preciso criar mecanismos para garantir visibilidade para sua loja.

Utilizar os links patrocinados e anúncios em outros sites é um caminho para promover sua loja. Você também tem a opção Google Shopping Ads; que funciona anunciando os produtos na própria busca do Google e faz a conexão com a sua loja. Além de alternativas como e-mail marketing, um blog para criação de conteúdo e redes sociais – agora com a opção de adicionar loja e colocar produtos para venda em sua página do Facebook, por exemplo.

As formas de divulgação são inúmeras e você pode utilizar quantas achar necessário, mas você deve se preocupar também com o fluxo orgânico e otimizar o seu site com as técnicas de SEO.

8) Monitoramento

Após todo o processo de criação e estruturação da sua loja online, você precisa monitorar e analisar os resultados para controlar como estão suas vendas e descobrir como os clientes se comportam em seu site.

Uma ótima opção é utilizar o Google Analytics para fazer essas análises. Com ele você poderá monitorar o número de visitantes, o tempo médio de permanência nas páginas, além de outros dados mais avançados, como medir o ROI (retorno sobre o investimento) e taxa de conversão, por exemplo.

O Google Analytics é ótimo para você entender como está a performance de cada página do seu site para fazer futuras melhorias e otimizações.

Com organização e dedicação montar uma loja virtual não é uma tarefa difícil e agora que você já conhece esses fatores importantes, oferecer bons produtos e serviços para o seus clientes será ainda mais fácil.

E você sabia que pode criar a sua própria loja virtual sem precisar ter estoque? Isso mesmo, vamos te contar como!

Como criar uma loja virtual sem estoque?

Agora que você já conhece os benefícios desse tipo de prática para o seu e-commerce, vamos te mostrar como criar uma loja virtual sem estoque e ainda conseguir um bom retorno:

Defina um nicho

O e-commerce, ao contrário da loja física, não precisa apresentar uma enorme variedade de produtos para atrair muitas vendas. Então, se você está começando a criar uma loja virtual sem estoque, o ideal é que aposte em poucas opções ou um único produto. 

Para isso, o primeiro passo é definir um nicho de atuação. Isso implica considerar que nem todo produto pode ser vendido sem estoque – o que é muito importante, pois alguns itens mais elaborados podem ter um tempo de fabricação maior. 

Lembre-se de que você precisa viabilizar entregas no momento em que as compras forem processadas. Assim, trabalhar com produtos mais simples e de alta estocagem nos fornecedores é o mais indicado.

Escolha os fornecedores

Após definir o nicho de atuação, é hora de pesquisar fornecedores. Essa é uma etapa importante para qualquer e-commerce e se torna ainda mais relevante para quem quer saber como vender na internet sem estoque.

Aqui, além da confiança em seu fornecedor, você precisará conhecer os prazos, o volume de estoque dos produtos que ele tem a oferecer e outras informações essenciais.

Uma boa prática é listar distribuidores e atacadistas e, se possível, visitá-los pessoalmente a fim de se inteirar sobre os processos, a qualidade dos produtos e a dinâmica de serviço. 

Escolha a logística de funcionamento

Para ser possível criar uma loja virtual sem estoque, é preciso que você escolha uma logística de funcionamento adequada. Quanto a isso, você pode optar por duas alternativas: 

  • Dropshipping: o dropshipping é uma forma de gestão em que você terceiriza a responsabilidade pelo preparo e envio de produtos. Aqui, você mantém um contrato com um fornecedor, que organiza e despacha as mercadorias de acordo com a compra em sua loja virtual;
Técnica de gestão Dropshipping – Fonte da imagem: Market Up
  • Negociação a prazo: outra opção para criar uma loja virtual sem estoque é realizar negociações a prazo. Dessa forma, você retira uma quantidade de produto com um fornecedor de confiança e só paga no prazo acordado.

Além disso, fazer uma boa gestão de estoque é importante para manter o controle do funcionamento do seu negócio on-line, já que a organização aqui garante lucro para a empresa e satisfação dos seus clientes.

Invista para criar uma loja virtual

Investir na criação do site é imprescindível, porque ele será o meio de entrada dos seus consumidores. Lembre-se que o seu site deve ser visualmente atrativo, de fácil acesso e manutenção. Portanto, o primeiro passo é registrar o domínio e, em seguida, escolher o seu fornecedor de hospedagem web.

Mas como criar uma loja virtual sem ter conhecimento técnico sobre desenvolvimento e programação?

Como criar uma loja virtual com o Criador de Sites da HostGator

Existem diversas ferramentas que ajudam nesse processo, eliminando a necessidade do empreendedor ter que buscar um expert no assunto.

O Criador de Sites da HostGator é uma delas, a solução ideal para você criar um e-commerce de um jeito simples, prático e ágil. Mostraremos um passo a passo para você colocar a mão na massa agora mesmo.

Porque o Criador de Sites da HostGator é ideal para quem não sabe como criar uma loja virtual?

Essa ferramenta permite criar uma loja virtual com apenas alguns cliques. Contando com visual intuitivo, fácil de usar e em português, ela possui recursos que permitem personalizar totalmente a página. Portanto, ele é ideal para qualquer segmento de atuação.

Com um criador de sites você pode, por exemplo:

  • Adicionar imagens;
  • Incluir a localização do seu negócio no mapa;
  • Inserir botões para as principais redes sociais;
  • Editar rapidamente os textos;
  • Modificar fontes e cores;
  • Inserir banner rotativo;
  • Adicionar vídeos e áudios;
  • Alterar a forma de visualização e o tema sempre que precisar.

Ele conta, ainda, como hospedagem inclusa, contas de e-mail gratuitas e suporte 24 horas – afinal, por mais intuitivo que seja, as dúvidas podem surgir no meio do processo.

Outro diferencial que a ferramenta oferece é o fato de os sites serem totalmente responsivos, ou seja, adaptam-se à tela de dispositivos móveis. Inclusive, você pode ver previamente como ele irá ficar em cada formato antes mesmo de publicar – basta clicar no botão “pré-visualização”.

Além disso, o Criador de Sites é amigável ao SEO, ou seja, conta com campos que, ao serem preenchidos, facilitam que os mecanismos de busca encontrem a página. E, consequentemente, com o tempo, pode fazer com que você melhore suas posições, aumentando as visualizações.

Passo a passo para criar uma loja virtual com o Criador de Sites da HostGator

Agora que você viu como criar uma loja virtual pode ser uma tarefa descomplicado e rápida, vamos mostrar, na prática, como utilizar o Criador de Sites da HostGator.

Confira!

1 – Após adquirir um dos planos de hospedagem compartilhada que oferecem gratuitamente o Criador de Sites, vá no Portal do Cliente e clique em Criar Site.

2 – Em seguida, será preciso escolher a categoria a qual o negócio se encaixa.

3 – A próxima etapa consiste em ajustar as configurações para dar a cara ao site. É preciso incluir o nome, imagem de fundo (que pode ser do banco de dados da plataforma ou uma sua mesmo), logo da marca, fonte do site, paleta de cores e estilo de navegação.

Passo 4 – Com essas configurações ajustadas, você irá adicionar as informações da sua empresa, como endereço, telefone e e-mail, que deverá aparecer no rodapé inferior da página;

Passo 5 – Com o fim dessas etapas, estará concluído o básico do criador de sites. Com o tempo, você começa a promover melhorias e outros ajustes de configuração, como alterar tema e cor. Essa edição é simplificada pelo fato do site ser visualizado em seções ou blocos isolados.

Passo 6 – É nesse momento que chega a opção de criar uma loja virtual e, assim, expor os produtos que você vende. Uma vez selecionada, você inicia a fase de configuração da loja propriamente dita.

Passo 7 – Após escolher o tipo de produto que você vende – físico, serviço ou um download digital -, é hora de começar a adicionar suas mercadorias. A ferramenta permite que você inclua o nome do produto, seu preço, imagem e uma breve descrição e, em seguida, defina se o frete é grátis ou se existe uma taxa fixa.

Passo 8 – O Criador de Sites irá solicitar informações sobre a sua loja, como endereço (que será validado) e os métodos de pagamento.

Pronto. Esses são os principais passos de como criar uma loja virtual utilizando a ferramenta da HostGator.

Diferenciais do Criador de Sites da HostGator

A ferramenta recomenda a utilização do PayPal e oferece um jeito bem simples de configurá-lo para que os valores entrem diretamente na sua conta. Porém, também é possível integrar com PagSeguro, por exemplo.

Outro diferencial do Criador de Sites para criar uma loja virtual é que ele possui um gerenciador da loja, que conta com informações básicas de acesso para que você monitore os resultados. Ainda nessa página, você pode atualizar as informações dos produtos, incluindo a quantidade no estoque – que irá alterar automaticamente conforme ocorrem as vendas.

O Criador de Sites conta ainda com algumas configurações avançadas, que podem ser incorporadas quando o site já estiver no ar. Ele permite integrar com os Correios, oferecer cupom de descontos ou mesmo criar categorias para que os seus produtos fiquem mais organizados e, portanto, fáceis de serem encontrados.

E o mais importante, ele vale para qualquer segmento que você atue, seja um restaurante, salão de beleza ou mesmo uma pet shop. E se você quer apenas criar uma página institucional, ele também funciona perfeitamente, permitindo que você crie uma home page agradável e atraente aos seus clientes.

Quais as principais funcionalidades do Criador de Sites da HostGator?

Agora que você viu como é simples criar uma loja virtual, que tal colocar o seu projeto no ar? A HostGator conta com três planos de criador de sites e certamente um deles se encaixa perfeitamente às suas necessidades. São eles:

  1. Pessoal, ideal para desenvolver um site pessoal e oferecer um serviço;
  2. Profissional, para você divulgar a sua empresa;
  3. Loja virtual, que facilita a venda dos seus serviços e produtos.

Entre as funcionalidades que podem ser encontradas em todos esses planos estão:

  • Painel fácil HostGator;
  • Diversidade de temas grátis;
  • Banco de imagens também gratuito;
  • Certificado SSL grátis (http);
  • Domínio personalizado;
  • Integração com Google Analytics;
  • Geração de Newsletter;
  • Amplo espaço interno.

Podemos perceber que o e-commerce é uma solução excelente, tanto para quem deseja ampliar seu negócio físico, quanto para os que buscam oportunidades para empreender no meio online. Existe muito espaço para crescer nesse canal de compras, que acabou de se popularizar entre os consumidores brasileiros. 

Se liga nesse tutorial de como criar uma loja online no criador de sites da HostGator. O Darlan Evandro vai mostrar passo a passo para quem começar no mundo do ecommerce!

Mas antes de começar a criar uma loja virtual, precisamos escolher um domínio para seu site. E você, já pensou no nome da sua loja online?

Como escolher o domínio ideal para criar uma loja online

É muito importante escolher um domínio marcante para o sua loja online. Afinal, você está facilitando o caminho do cliente até você, personalizando o domínio de um espaço específico dentro de um servidor de internet (com um endereço de IP).

Caso contrário, as pessoas precisariam lembrar do número do seu IP, que seria algo como http://188.75.987.00. Mas isso dificultaria muito as buscas e afetaria o SEO da sua loja. Por isso, escolher um bom domínio – que te posicione bem nas buscas – vai gerar cada vez mais vendas no seu e-commerce.

Fácil de lembrar

A maioria das pessoas não tem o hábito de salvar links que mais usam na barra de favoritos do navegador, por isso, acabam tendo que digitar ou pesquisar no Google quando querem encontrar algo. Procure criar um domínio fácil de ser lembrado, que seja sonoro e sem muitas letras repetidas. Simplifique, se coloque no lugar da pessoa que está buscando pelo seu serviço ou produto.

Fácil de pronunciar

Um nome fácil de pronunciar é mais fácil de gravar. Além do mais, pense que as pessoas podem recomendar a sua loja e vão falar sobre ela. Por isso, escolha um domínio claro, com poucas sílabas, palavras claras, diretas e objetivas.

Descritivo

Não tenha medo de parecer óbvio e invista no seu carro-chefe. Uma dica é usar o nome do seu produto principal, mesmo que depois você resolva expandir os negócios. Assim, fica fácil memorizar e saber o que sua loja vende. Foque no seu serviço: ao invés de lojadopedro.com.br experimente pedrocarimbos.com.br, por exemplo.

Veja também: Tudo que você precisa saber sobre domínios

Bom tamanho

O tamanho máximo para um domínio é de 63 caracteres, mas quanto mais longo, mais difícil de lembrar. Evite usar termos em uma língua estrangeira, se não tiver a ver com a sua proposta. Recorra ao seu conceito, faça um brainstorm e pense em várias possibilidades antes de decidir. O ideal é usar uma palavra só, mas nem sempre isso é possível, por isso, procure usar no máximo duas palavras.

Evite símbolos e números

A maioria das extensões não aceita caracteres especiais e “ç”, por isso, evite registrar seu domínio com esses caracteres, mesmo que seja permitido. Hifens e números são difíceis de gravar. Por exemplo, é mais fácil você lembrar de tresmarias.com.br do que 3marias.com.br ou mesmo casaeletro.com.br do que casa-eletro.com.brPercebeu como um bom domínio pode fazer toda a diferença? Se já tiverem alguma ideia em mente, verifiquem a disponibilidade da url na parte de Registro de Domínios, no site da HostGator. Esperamos ter ajudado!

Mas, após realizar estes passos, ainda restam dois detalhe muito importante num e-commerce, os preços e os gateways de pagamento.

Como precificar um produto ao criar uma loja virtual

Sejam iniciantes ou não, os empreendedores costumam ter dúvidas sobre como precificar um produto da loja virtual. A etapa de definição de preços pode parecer complexa, mas ela é a base para um negócio prosperar. 

Saiba que a precificação envolve mais que apenas digitar um valor num site ou inserir a etiqueta de preço. O valor de um produto determina desde as finanças da empresa até o posicionamento no mercado,

Saber como fazer a precificação dos produtos é essencial para aumentar as vendas e a participação de mercado. 

Entenda a importância da precificação

Algumas pessoas avaliam o preço apenas como uma taxa de câmbio. Este é o principal erro que alguém pode cometer como empreendedor, pois como precificar um produto é o reflexo de tudo o que você faz como empresa.  

Após definir um preço adequado, o resto serve para justificar este valor: o trabalho de sua equipe de vendas, o planejamento do time de marketing, as atividades financeiras e jurídicas, além da fabricação do seu produto. 

Desse modo, uma boa precificação ajuda a satisfazer o consumidor, definir o público-alvo, enfrentar a concorrência e operacionalizar a sua empresa. 

Veja dicas para precificar um produto 

Em artigos publicados em seu site, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) ressalta que o preço de venda ideal deve cobrir todos os custos e despesas, ser competitivo e melhor que a concorrência.

O preço utilizado para o lançamento não será o valor fixo do produto. Isso porque o processo de precificação é algo que precisa sempre ser revisitado. Por isso, confira, abaixo, algumas dicas que vão lhe ensinar como precificar um produto da sua loja virtual.

Conheça seu público-alvo

Você precisa descobrir quem é o seu cliente e quanto ele está disposto a pagar pelo seu produto. Isso ajuda a determinar o seu preço ideal de forma que gere um lucro que seja saudável para sua empresa.

Uma forma simples e eficiente de conhecer melhor o seu público é fazer uma pesquisa, utilizando um formulário do Google Forms

Além dos dados demográficos, algumas perguntas que você pode fazer é quais são os maiores desafios, desejos e medos dos consumidores. Não esqueça de dar algum incentivo para as pessoas preencherem o formulário.

Com seu público-alvo definido, é a hora de criar a sua persona, que são representações fictícias do seu público-alvo e auxiliam na tomada de decisão. 

Compreenda o mercado e os competidores

Conheça qual é o valor cobrado por empresas de sua região ou negócios que vendem produtos parecidos com o seu. Faça uma boa pesquisa e descubra quanto eles vendem, por qual valor e para quem. 

As flutuações do mercado de ações, as taxas de emprego, uma nova legislação e a tendência de consumo afetam o preço que as pessoas estão dispostas a pagar pelo seu produto. Então, fique de olho no mercado e nos seus concorrentes! 

No entanto, lembre-se que você está operando em seus termos, com suas despesas gerais e margens de lucro. Embora seja ótimo acompanhar como eles estão definindo o preço dos produtos, você precisa colocar sua empresa em primeiro lugar.

Se, ao fazer isso, você identificar que o seu preço está acima da concorrência, é hora de parar e refletir sobre a melhor ação a ser tomada. Afinal, você corre o risco de ficar com o estoque parado. 

A decisão que precisará ser tomada é se você prefere diminuir a sua margem de lucro nesse produto ou, se ela estiver apertada, rever a venda do item em questão. Ficou curioso para saber mais sobre esse assunto? Fique tranquilo, o tópico 4 é apenas sobre esse tema. 

Outra estratégia interessante é fazer um combo: você reduz o preço de um produto e aumenta a margem de outros itens do pacote. Saber como precificar um produto corretamente exige aprender a trabalhar com todas essas variáveis de contexto.

Saiba tudo sobre o mercado on-line

De acordo com um estudo sobre e-commerce, elaborado pela Ebit|Nielsen, o comércio eletrônico brasileiro registrou um crescimento de 47% no primeiro semestre de 2020, maior alta em 20 anos. 

Com o fechamento das lojas físicas, devido à COVID-19, muita gente recorreu às compras virtuais — apesar do interesse repentino, o dado mostra que esta é uma tendência que veio para ficar. 

Por isso, tão importante quanto conhecer o mercado local, é estar bem informado sobre os concorrentes on-line. Afinal, eles estão a poucos cliques de distância.

  • Faça uma planilha com os preços dos principais concorrentes; 
  • Anote o que eles oferecem como benefícios, como frete grátis, brindes e garantias;
  • Veja o que eles fazem de diferente para se destacar,
  • Observe como eles falam de seus produtos, das qualidades e das características únicas que justificam o preço.

Análise feita? O próximo passo é avaliar como você pode desenvolver uma estratégia para se diferenciar. Você quer se posicionar como uma loja de alto valor ou de baixo custo?

É importante definir bem seu posicionamento, pois cada um exige comportamentos distintos para precificar produtos de sua loja virtual. Se você ainda não a possui, mas está pensando em criar um negócio em 2020, confira algumas tendências aqui.

Determine sua margem de lucro

Talvez, a determinação da margem de lucro seja uma das partes mais importantes de sua estratégia, pois, após deduzir os custos fixos da empresa e do produto, ela é a porcentagem da receita que você gera em cada unidade.

Saber quais modelos de precificação funcionam melhor em seu setor pode simplificar a forma de definir o valor de um produto. Conheça algumas estratégias que você deve considerar, antes de decidir a melhor para sua empresa. 

Markup

Uma das maneiras mais simples de definir o preço de seu produto é utilizar o custo como base. Esta estratégia nada mais é que calcular os custos totais necessários para sua produção e, em seguida, adicionar uma margem de lucro percentual para determinar o preço final. 

Por exemplo, digamos que você tenha projetado um item com os seguintes custos:

custos de material = R$ 20;

custos de mão de obra = R$ 10;

total = R$ 38.

Em seguida, você adiciona uma porcentagem de diferença entre o custo e o preço de venda, chamada de markup. Vamos supor que o seu markup seja de 50%. Se o custo total é R$ 38, você deve somá-lo com 50% de R$ 38, obtendo um valor final de R$ 57. 

Contudo, tome cuidado! O markup é uma saída rápida na precificação, mas o cálculo não garante que todos os custos da operação serão pagos, servindo apenas como uma estimativa.

Observe que markup e margem de lucro são conceitos diferentes. Enquanto o primeiro é o percentual aplicado aos produtos, ou seja, o lucro desejado, o segundo é a porcentagem que volta para o caixa quando todos os custos são pagos. 

Preço orientado para o mercado

Também conhecido como estratégia de preços baseada na competição, os valores orientados para o mercado comparam produtos semelhantes. O vendedor define o preço mais alto ou mais baixo que seus concorrentes, dependendo de quão bem seu próprio produto corresponde.  Esta estratégia pode ter três tipos: 

  1. acima do mercado: fixando o preço de seu produto acima da concorrência, você destaca-o como sendo de maior qualidade ou melhor desempenho;
  2. preço de mercado: vendendo seu item pelo mesmo preço que seus concorrentes, você maximiza o lucro e permanece competitivo,
  3. abaixo do mercado: usando dados como referência e precificando um produto abaixo dos concorrentes, você atrai clientes que procuram itens mais baratos. 

Cada uma das estratégias tem seus prós e contras. Com preços orientados para o mercado, o importante é entender os custos de fabricação de seu produto e a qualidade em comparação aos concorrentes. 

Precificação dinâmica

Conhecida como preço com base no tempo ou preço de demanda, a precificação dinâmica é uma estratégia em que as empresas definem valores flexíveis para um produto ou serviço, com base nas exigências atuais do mercado. Você já ouviu falar na tarifa dinâmica da Uber? É exatamente isso! 

Fonte: Uber

O preço dinâmico é o ato de alterar um valor várias vezes, ao longo do dia, da semana ou do mês, para melhor corresponder aos hábitos de compra do consumidor.

Seja qual for a estratégia de precificação escolhida, para ter uma margem de lucro realista, você precisa determinar o número necessário de vendas para cobrir, pelo menos, seus custos. 

É bom considerar os custos fixos para os negócios e as despesas variáveis por produto. A partir desse ponto, você pode ajustar sua estratégia de preços para determinar uma margem competitiva e otimizada.

Afinal, não faz sentido você reduzir seus preços se não for gerar o lucro esperado, não é mesmo?

Faça testes

Uma excelente estratégia para ver se seu preço está bem definido é realizar o chamado teste A/B. Ele funciona assim: você desenvolve uma campanha paga nas redes sociais, com anúncios, chamando para uma página de captura, em que estará a sua oferta.

Nessa campanha, em vez de direcionar o cliente para apenas uma página, você pode direcioná-lo para duas, em que cada uma possuirá o mesmo produto, porém, com um preço diferente

Assim você consegue medir se o preço mais barato está gerando a quantidade necessária de vendas para compensar as perdas na margem de lucro.

Reveja as estratégias de preços ao criar uma loja virtual

Não deixe o medo de escolher o preço “errado” impedi-lo de lançar sua loja. Os valores sempre irão evoluir com o seu negócio e, desde que eles cubram suas despesas e forneçam algum lucro, você pode testar, avaliar suas estratégias e ajustá-las conforme evolua. 

Para isso, utilize dados e métricas para garantir que você atinja sempre seus lucros ideais. É bom sempre considerar como está o seu fluxo de caixa, o histórico de vendas e as mudanças no mercado. Você pode fazer isso uma vez a cada trimestre.O mais importante sobre o processo de como precificar um produto é que o custo ajude a construir um negócio sustentável.

Depois de ter estabelecido o preço de seus produtos, você precisa saber vendelo!

5 dicas para criar uma descrição de produto incrível para a sua loja virtual

Você já desistiu de comprar um produto em uma loja virtual porque não encontrou informação relevante ou porque na descrição de produto faltava dados importantes sobre ele? Pois é, este problema é mais recorrente do que você imagina. 

Testes de usabilidade realizados pelo Instituto Baymard mostram que 52% dos sites não usam texto ou imagens na sua descrição de produtos mais vendidos. Por outro lado, dados da Nielsen mostram que 20% das desistências de compra no e-commerce têm alguma relação com a omissão de informação ou informação pouco clara sobre um produto.

Assim como as fotos e os vídeos são recursos que ajudam a atrair o visitante despertando desejo durante a venda online, uma boa descrição é essencial para conquistar a confiança do seu cliente. 

 Além de diminuir as reclamações por falta de informação sobre o seu produto, posicionar melhor sua loja nos mecanismos de busca (Google) e gerar impactos diretos em suas taxas de conversão. Mas como criar uma descrição incrível para os produtos da sua loja virtual? 

1. Comece pelas informações básicas

Não há nenhum problema em usar o texto do seu fornecedor como base para criar a sua descrição, mas nada de ‘ctrl c, ctrl v’, combinado?

Produzir um conteúdo exclusivo para cada produto é ótimo tanto para consolidar a identidade da sua marca quanto para fortalecer a sua estratégia de SEO (Search Engine Optimization).

Inclusive, outra dica valiosa é criar uma descrição para cada canal de venda: uma para a sua página de produto e outra para seus produtos vendidos nos marketplaces, por exemplo. Comece pelo básico: reúna as informações que respondem às dúvidas mais recorrentes do seu cliente. Veja os exemplos abaixo:

  • Pergunta: Que produto é este?
  • Exemplo: “Guarda-Roupa Casal 3 Portas de Correr e 9 Gavetas”
  • Dica: Use uma descrição mais curta para produtos mais simples, como uma camiseta branca e outra mais complexa para produtos mais técnicos como um celular, por exemplo.
  • Pergunta: De qual matéria-prima é feito este produto?
  • Exemplo: “Camiseta feita com com modelagem regular, composta com 100% algodão e resistente a líquidos e manchas”
  • Dica: Se o seu produto é feito localmente, a partir de materiais orgânicos ou sustentáveis não esqueça de mencionar isso na descrição.
  • Pergunta: Qual é a medida, tamanho e cor do produto?
  • Exemplo: “Refrigerador Esmaltec Duplex Cycle Defrost com capacidade total de 276 litros. Largura: 158,5 cm. Altura: 56 cm. e Profundidade: 66 cm.”
  • Dica: Se você tem uma loja virtual de moda, por exemplo, prefira medidas que especifiquem as dimensões exatas das peças, já que “P”, “M” e “G” variam de acordo com o fabricante.

2. Otimize sua descrição de produto com práticas de SEO

Encare a descrição de produto como uma oportunidade para o Google conseguir encontrá-lo. Se você quer fazer com que seu produto apareça nas buscas é fundamental utilizar algumas boas práticas de SEO, como escolher uma boa palavra-chave. Você pode encontrar a palavra-chave ideal para o seu produto por meio de pesquisas no Google Keyword Planner e no Google Trends.

As duas ferramentas são gratuitas (no caso da primeira você só precisa criar uma conta) e trazem informações relevantes sobre o volume de buscas de palavras feitas no Google.

Outra dica é digitar duas ou três palavras ou uma frase curta no próprio buscador para ter ideias de quais são mais populares entre os seus clientes. Mas lembre-se de não escolher palavras muito genéricas, pois estas costumam ser mais concorridas.

O desafio é justamente encontrar palavras e sinônimos com alta procura, pouca concorrência e preço acessível para aproveitar oportunidades que os seus concorrentes ainda não descobriram.

Checklist

  1. Evite usar jargões, siglas ou termos técnicos usados no mercado em que sua loja está inserida. Lembre-se que nem sempre seu consumidor é especialista no produto que você vende;
  2. Dê atenção especial ao título, afinal é ele o primeiro a captar a atenção do seu cliente;
  3. Nem pense em copiar a descrição do seu fornecedor. Ao fazer isso você aumenta as chances de ter um conteúdo duplicado no seu site e ser penalizado pelo Google. Em alguns casos extremos esta prática pode até mesmo ser considerada Spam e levar à extinção de um domínio. Se precisar, use ferramentas como a Copyscape ou a Siteliner para ver se sua loja já tem conteúdo duplicado e prefira sempre descrições originais, atualizadas e simples;
  4. Otimize imagens e fotos para que o Google consiga ‘enxergá-las’ – catalogue e adicione uma breve descrição para elas.

Estas são apenas dicas de SEO para a descrição do seu produto. Se você quiser otimizar também as outras seções da sua loja virtual você pode seguir estas dicas aqui.

3. Use palavras atraentes e frases persuasivas na descrição

Uma boa descrição de produto é aquela que faz alguém desejar ele. Pesquisas mostram que as emoções são importantes para o sucesso de uma venda. Por isso, além de destacar os benefícios e vantagens mais comuns é possível usar palavras como gatilhos mentais. Isso despertará os sentidos do cliente, fazendo com que imagine o produto enquanto lê a sua descrição. Palavras que remetam à matéria-prima do seu produto relacionadas à textura, sabor, aroma, sensação de durabilidade, conforto e design são ótimas estratégias para atrair seu cliente, pois reproduzem a experiência em uma loja física. Esta técnica também é conhecida como Marketing Sensorial ou Sinestésico. Veja alguns exemplos:

  • Sentido: Visão
  • Palavras/Expressões: ‘Brilhante’, ‘colorido’, ‘vermelho ousado’, ‘design elegante’, etc.
  • Sentido: Tato
  • Palavras/Expressões: ‘Suave’, ‘macio’, ‘leve’, ‘aerodinâmico’, ‘anatômico’, ‘totalmente respirável’, etc.

Outros termos como ‘de tirar o fôlego’, ‘fascinante’, ‘incrível’, ‘sensacional’, ‘criativo’, ‘irresistível’, ‘rápido’, ‘novo’, ‘grátis’, ‘maravilhoso’, ‘instantâneo’, ‘fácil’ e ‘exclusivo’ também podem ser usados para reforçar ainda mais estas sensações. Você pode encontrar listas com diversas palavras poderosas. Abaixo você vê um exemplo da loja de cosméticos MAC:

Fonte da imagem: Mac

Palavras como ‘cremosa’, ‘lábios confortáveis’, ‘acabamento acetinado’ deixam o produto muito atraente para a compra.

4. Use um formato atraente e de fácil leitura

Além da linguagem, o formato também ajuda a tornar este texto mais atraente para a leitura. Dependendo do design que você usa nas páginas de produto da sua loja você pode optar por subtítulos, bullets ou listas para sintetizar as informações muito técnicas. Dividir parágrafos e usar negritos também são algumas alternativas que favorecem a leitura em descrições um pouco mais longas.

Fonte da imagem: Apple

No exemplo acima vemos um produto que precisa mostrar muitas informações técnicas como o modelo do processador, tipos de armazenamento e memória. Com a lista é possível apresentar as informações de maneira mais leve e intuitiva para o cliente.

Fonte da imagem: Samsung

5. Use os depoimentos de clientes como insights para a descrição

Uma dica bacana é selecionar alguns depoimentos e reviews de clientes e usá-los como inspiração na sua descrição.

Observe quais qualidades do produto eles destacam ou que problema eles resolveram com o produto. Ao escrever a descrição tente responder às questões levantadas pelos clientes para que seu texto fique com cara de prova social.

Isso vai te ajudar a gerar mais confiança naqueles consumidores que ainda estão em dúvida sobre a qualidade ou eficiência de um produto, como no exemplo abaixo:

Conseguiu convencer o cliente? Agora seu próximo passo é definir quais soluções eles irão encontrar para realizar o pagamento dos produtos. E, é aí que entram os Gateways de Pagamento!

O que são gateways de pagamento para lojas virtuais?

Gateway de pagamento é um termo que pode soar um pouco estranho para quem está iniciando no mundo do e-commerce. As possibilidades na internet, para quem deseja comercializar no virtual, são inúmeras. Por isso, é importante que o empreendedor conheça todas as opções tecnológicas à disposição

Afinal, o que é gateway de pagamento? O gateway de pagamento é uma aplicação usada em diversos e-commerces para realizar as transações de pagamentos entre o cliente e a loja virtual.

Apesar de simples, o entendimento vai um pouco mais longe: esse mecanismo liga as plataformas virtuais às organizações bancárias.

Sendo assim, isso elimina quaisquer tipos de intermediários ao pagamento.

A experiência do cliente melhora bastante nesse caso, já que ele não precisa ser redirecionado para outra página para finalizar a compra.

Para a loja, isso também é uma vantagem, pois diminui possíveis desistências no “meio do caminho” entre a escolha do produto e o pagamento.

Veja também: A importância do UX Design para o e-commerce

Os facilitadores de pagamento

Diferente dos Gateways, os facilitadores de pagamento ou intermediários de pagamentos são as plataformas que funcionam fora do e-commerce para realizar as transações de pagamentos.

Provavelmente você já deve ter se deparado com algumas dessas plataformas na internet. As mais populares no  Brasil são a Pagseguro e Paypal.

Essa é uma opção tão eficiente quanto o gateway de pagamento para as lojas virtuais que ainda não possuem o mecanismo de pagamento integrado ao site.

Na prática, o cliente irá escolher o produto dentro do e-commerce.

Na hora do pagamento, será redirecionado para alguma dessas plataformas, onde irá inserir seus dados e finalizar o processo.

As características e vantagens do gateway de pagamento

  • Rapidez: os pagamentos feitos através desta aplicação levam cerca de 3 segundos para serem processados.
  • Economia: costumam ser uma opção com melhores taxas em relação aos facilitadores de pagamentos.
  • Adaptável: o gateway de pagamento possui uma interface que se adapta facilmente a qualquer tipo de processo de pagamento.
  • Recursos: alguns gateways mais robustos possuem diversos recursos como cobrança recorrente, pagamento com dois cartões e até compras em 1 clique para clientes já cadastrados.
  • Mais opções: com o gateway de pagamento você poderá escolher mais bandeiras de pagamentos em relação aos facilitadores de pagamento.

Pontos de atenção ao optar por um gateway de pagamento

  • Suporte antifraude: quando se contrata um gateway de pagamento, é importante contratar também um sistema antifraude para se integrar ao site e garantir a segurança nas transações.
  • Burocracia: ao contratar um gateway o processo de implantação pode se tornar burocrático já que será necessário firmar um acordo com diversos operadores financeiros.
  • Prazo: o prazo para que a aplicação de pagamentos esteja funcionando perfeitamente dentro do e-commerce pode ser de até 60 dias, devido a todas as burocracias envolvidas.

Assista ao Vídeo:

Você sabe quais são os meios de pagamento mais utilizados no e-commerce?

Já vimos o que é o gateway de pagamento, a sua função e como ele te ajudará no seu site.

Agora vamos saber quais são as formas de pagamentos mais comuns na internet.

Cartão de crédito

O cartão de crédito costuma ser o meio favorito dos consumidores para efetuar compras em lojas virtuais.

Além do processamento rápido, essa modalidade de pagamento pode trazer inúmeros benefícios ao cliente, como o acúmulo de pontos que podem ser trocados por produtos e milhas que são utilizadas na compra de passagens aéreas.

Boleto bancário

Apesar da transformação digital o boleto não caiu em desuso.

Pelo contrário, diversos e-commerces até mesmo dão desconto para quem opta por esse meio de pagamento.

A grande desvantagem desse tipo de transação para a loja virtual é que muitos consumidores geram boletos e não pagam, resultando em uma grande retenção de estoque.

Débito em conta

Esse é um meio de pagamento que vem ganhando terreno nos últimos anos.

De forma prática ele se assemelha ao boleto, por ser um pagamento à vista.

O grande diferencial aqui está na velocidade em que o pagamento acontece.

O boleto pode demorar até 3 dias para compensar, já o débito em conta em geral é processado em poucas horas.

Todas essas formas de pagamento podem ser processadas por um gateway de pagamento dentro do e-commerce.

Depois do processo de criação do seu ecommerce o trabalho não para por aí. Você vai precisar criar estratégias para vender cada vez mais.

Para isso, você vai precisar  pensar no percurso de seu cliente da descoberta à decisão de compra. E a criação de uma página de FAQ é uma estratégia muito efetiva para encaminhar seu lead ao fundo do funil de vendas!

Como criar uma página de FAQ para sua loja virtual

Com tantas estratégias e ferramentas de captação e conversão de leads a página FAQ é pouco valorizada. No entanto, é uma poderosa ferramenta para aumentar o volume de vendas de seu negócio.

Entenda como a página de FAQ é um diferencial necessário criar uma loja virtual, porque você deve usá-la e que retorno isso pode te trazer.

O que é uma página de FAQ

Uma página FAQ é um espaço para apresentar respostas às perguntas mais comuns feitas pelos clientes sobre um determinado produto/serviço.

Ao realizar uma compra online, com certeza você já deve ter visualizado uma aba ou página de FAQ.

Nela, as dúvidas do consumidor são respondidas de forma objetiva, como, por exemplo, em relação aos meios de pagamento, ao uso do produto, como solicitar e se há possibilidade de devolução, etc.

Basicamente, há um bloco com uma série de perguntas e você pode visualizar conforme a dúvida que tiver.

O intuito da página FAQ é facilitar a comunicação com o cliente, uma vez que não é necessário aguardar por uma resposta de um funcionário do suporte, por exemplo.

Por que você precisa de uma página FAQ após criar uma loja virtual?

Além de facilitar a comunicação, a página FAQ é um instrumento de impulsionamento de vendas muito interessante para sua loja virtual.

Como? Bom, é muito comum que o cliente crie alguns impedimentos à aquisição de seu produto ou serviço.

Isso faz parte do processo de decisão, e é importante que nesse momento você saiba convencê-lo de que precisa do que você tem a oferecer e dos benefícios.

Mas, então, como fazer isso se você está online para suporte apenas em horário comercial?

Se você pensou “página FAQ”, acertou!

Imagine a quantidade de clientes que acessam sua loja, durante a madrugada, têm dúvidas e perdem o interesse porque precisam aguardar uma resposta.

Enquanto isso, pode ter certeza que eles procuram por soluções mais viáveis, ou seja, seu concorrente.

Vantagens em criar uma página FAQ

Para te dar motivos mais sólidos sobre incorporar uma página FAQ à sua loja virtual, aqui vão algumas vantagens – para além da comunicação facilitada e impulsionamento de vendas.

Fortalecer a confiabilidade da marca

O relacionamento com o cliente é um dos pilares de um empreendimento de sucesso!

Com uma página FAQ, você não só fortalece esse relacionamento como também cria uma confiabilidade para sua marca.

Você estará fornecendo espontaneamente informações sobre seu produto/serviço, o que gera um sentimento positivo no seu cliente.

A ideia é que você está comprometido em esclarecer todos os pontos, de forma transparente e honesta.

Investir em SEO

A otimização de conteúdo para os mecanismos de busca deve ser uma preocupação constante de uma página que quer se sair bem sem ou com pouco investimento em tráfego pago.

Se esse é seu caso, saiba que a página FAQ pode te ajudar a melhorar o SEO de seu site.

Nessa parte, você pode explorar palavras chaves e conceito alternativos para apresentar seu produto/serviço.

Essas informações são de grande valor, e os mecanismos de buscas valorizam isso.

Como fazer uma página de FAQ em 4 passos

Agora que você já sabe o quão imprescindível é uma página FAQ para criar uma loja virtual, acompanhe esses 4 passos para desenvolver a sua:

Reúna as informações importantes sobre seu produto/serviço

Sem um estudo sistematizado, muitas vezes caímos no equívoco de deixar passar pontos que são relevantes para o cliente.

É claro, você sabe tudo sobre o produto/serviço que oferece, mas procure reunir toda essa informação em um papel ou quadro.

Assim, você evita de esquecer algum aspecto e consegue visualizar melhor o que pode gerar dúvida em seu potencial cliente.

Identifique dúvidas frequentes

Com o mapeamento em mãos, ficará bem mais fácil pensar e identificar dúvidas.

É claro, não esqueça de considerar as dúvidas efetivamente levantadas pelos clientes até o momento.

Avalie junto ao suporte as dúvidas frequentes que chegam através de todos os meios de comunicação da sua loja virtual.

Apenas não esqueça de focar em perguntas relevantes.

Responda objetivamente às dúvidas

O grande desafio dessa etapa é estruturar respostas pensando como o cliente.

Isso mesmo, não é suficiente apenas criar uma resposta objetiva, é preciso que você considere o ponto de vista de quem compra.

Assim, busque responder positiva e objetivamente, sempre lembrando de exaltar qualidades e vantagens em detrimento a falhas e faltas.

Organize as informações

A organização de uma página FAQ é fundamental, pois esse espaço costuma apresentar uma grande quantidade de informações.

Assim, busque organizá -las de forma a facilitar a leitura e interpretação do cliente.

Isso evita que ele se perca, canse ou desista da leitura.

Pronto, agora você já tem o sua loja online funcionando e é hora de atrair os clientes. Para isso os usuários precisam achar o seu site, não é mesmo? Então, é hora de falar sobre tráfego orgânico e tráfego pago! 

SEO para loja virtual: como conquistar o primeiro lugar no Google

Engana-se quem imagina que basta criar um site de vendas online para alcançar boas posições no Google e atrair visitantes. Para obter tráfego orgânico, é essencial entender e adotar estratégias de SEO para sua loja virtual.

SEO é a sigla de Search Engine Optimization, que pode ser traduzido como otimização para motores de busca.

O trabalho de SEO técnico envolve diversas melhorias que visam garantir o rastreamento, indexação e renderização eficientes.

Existem diversas maneiras de se chegar ao primeiro lugar no Google e a principal delas é com uma estratégia SEO efetiva.

Logo, se você está pensando em criar um negócio, fique atento nas nossas dicas!

Separamos 8 pontos importantes sobre SEO para loja virtual que farão a diferença no seu negócio!

Importância de uma estratégia SEO para uma loja virtual

É um erro comum achar que SEO para e-commerce visa somente atrair mais visitantes para o site. Esse é apenas um dos objetivos deste trabalho.

A estratégia é essencial para que o negócio ganhe visibilidade à longo prazo.

Devido aos critérios cada vez mais rigorosos, estar nas primeiras posições do Google é sinônimo de credibilidade.

Logo, se a empresa adotar as estratégias adequadas, consegue se manter sempre visível e a marca passa a ser facilmente reconhecida.

O SEO para lojas virtuais também permite captar visitantes altamente qualificados e com potencial de conversão.

O cliente também ganha benefícios com as técnicas de SEO para loja virtual, porque elas priorizam a experiência do consumidor.

Para continuar aparecendo nos resultados, por exemplo, um site precisa estar:

  • Atualizado;
  • Organizado;
  • Seguro;
  • Com navegação intuitiva.

Desta forma, melhorar o SEO traz benefícios para todas as partes envolvidas.

Os comerciantes conseguem elevar suas vendas, fortalecer sua marca e gerar tráfego orgânico para suas lojas virtuais.

Enquanto o cliente tem à disposição um portal atrativo e que oferece fácil acesso aos produtos.

8 dicas de SEO para criar uma loja virtual de sucesso

1. Fazer pesquisa e otimização de palavras-chave

Pesquisar palavras-chave é o primeiro passo de qualquer estratégia SEO para loja virtual.

Encontre quais termos as pessoas mais utilizam ao buscar produtos relacionados ao seu e-commerce.

Existem algumas ferramentas de pesquisa de palavra-chave que realizam esse trabalho de forma automática e, portanto, agilizam o processo.

Uma delas é o Planejador de Palavras-chave do Google, que é gratuito para quem possui conta no Google Ads.

2. Cadastro dos produtos na loja virtual

Ao cadastrar novos produtos, é essencial que a URL, o título e o descritivo da página sigam as boas práticas de SEO.

Todos eles devem conter as palavras-chave previamente pesquisadas para facilitar as buscas.

A descrição do produto para loja virtual deve ser o mais completa possível. Adicione, por exemplo:

  • Tamanho;
  • Cor;
  • Material;
  • Modelo

Além disso, utilize imagens leves, pois elas são carregadas facilmente e, portanto, não prejudicam a velocidade do site como um todo – outro fator relevante dentro da estratégia SEO para loja virtual.

3. Cadastrar a loja no Google Search Console

O Google Search Console permite monitorar a performance das lojas virtuais no buscador. Ele disponibiliza informações como:

  • Palavras-chave mais usadas por pessoas que acessam seu e-commerce;
  • Erros de rastreamento;
  • Sites que estão linkando para a sua loja.

Com esses dados, é possível saber onde se está errando e promover os ajustes necessários para melhorar o ranqueamento.

4. Criar uma conta no Google Analytics

O Google Analytics é essencial em uma estratégia SEO de loja virtual porque permite acompanhar o comportamento dos usuários dentro do site.

Algumas das informações que é possível obter são:

  • Quantidade de visitantes;
  • Quantas páginas cada pessoa acessou;
  • De onde eles vieram;
  • Tempo médio que cada visitante ficou na loja;
  • Taxa de conversão;
  • Dispositivo que cada um utilizou para acessar o portal.

5. SEO on-page

SEO on-page são otimizações nos conteúdos das páginas de um site, como:

  • Meta title,
  • Meta description,
  • Imagens,
  • Conteúdo do próprio texto.

Essa estratégia auxilia a obter tráfego segmentado e relevante, garantindo que as pessoas que acessam a página via buscadores sejam potenciais consumidores de qualidade.

6. Otimização mobile

Como a forma de acessar os conteúdos na rede mudou, o algoritmo do Google está oferecendo ranqueamento mais alto para os sites adaptados aos dispositivos móveis.

Isso significa que, se a estratégia SEO para loja virtual não inclui uma experiência rápida e tranquila para usuários mobile, a marca será penalizada pelo Google.

Consequentemente, não estará aparecendo nos resultados considerados mais atrativos.

É importante ter em mente que melhorar o SEO pensando em dispositivos móveis não significa colocar o conteúdo em tela menor.

Ao criar uma loja virtual, pense no design, para que seja fácil encontrar os produtos, e garanta a velocidade de abertura da página.

7. Link building

O link building melhora o SEO porque mostra aos mecanismos de busca que o conteúdo é relevante. É possível acrescentar dois tipos de links:

Internos: aumenta o tráfego do próprio blog/site com conteúdo relacionado.

Externos: costuma ser utilizado para comprovar dados e pesquisas que corroborem com o conteúdo ou como forma de guest posting, onde empresas trocam links para as duas se beneficiarem.

Uma dica: não caia na tentação de acrescentar muitos links de sites de má qualidade. Além de não obter o tráfego desejado, ainda há o risco de penalização pelo Google.

8. Conteúdo para blog

Os mecanismos de busca gostam de conteúdo novo, pois indica que o site é relevante, ativo e que pensa no cliente. 

Logo, uma estratégia de marketing digital que oferece resultados positivos também para lojas virtuais é ter um blog.

Isso porque ele captura tráfego de busca com palavras-chave de cauda longa.

O blog permite que sejam criados artigos com temas diversos e de interesse do público-alvo.

Isso dá ao consumidor mais de uma forma de encontrar seu site e razões para retornar.

Agora que você já observou como fazer para que seu site seja encontrado de forma gratuita pelos usuários, vem entender como funciona a parte paga!

Como anunciar sua loja virtual no Google

Você já reparou que os outdoors estão saindo de moda e as propagandas de televisão estão cada vez mais concentradas nas mãos das maiores marcas? Isso acontece porque, dia após dia, a internet se firma como o grande canal publicitário para a maioria da empresas, especialmente as lojas virtuais. A opção pelos anúncios digitais tem razões estratégicas. Eles possuem:

  • Resultados mensuráveis;
  • Ótimo custo benefício;
  • Podem ser aplicados em grandes canais de comunicação e interatividade, como o Google, o Facebook, o Instagram e até mesmo o Waze.

Anúncios digitais não são o futuro da publicidade, eles são o presente, a realidade envolvendo as ações publicitárias e as estratégias de marketing. 

Diante desse cenário, fica evidente que não se pode deixar de lado o potencial dos web ads, especialmente para os comércios eletrônicos. Neste post, separamos algumas dicas para aprender como anunciar sua loja no Google e compreender um pouco mais sobre como usar o Google Ads, a ferramenta exclusiva do Google para criação dos anúncios.

O que é Google Ads?

De uma maneira simples, podemos dizer que o Google Ads é uma plataforma na qual uma pessoa determina palavras-chaves que farão com que os usuários encontrem seu site nas pesquisas do Google. Em paralelo, são criados anúncios com textos e imagens que serão exibidos assim que um usuário acionar uma das palavras determinadas. O “pulo do gato” aqui é a curadoria. Escolher as palavras-chave mais estratégicas e redigir um bom anúncio é fundamental para atrair as pessoas até seu site. Ao mesmo tempo, é preciso garantir que seu anúncio possua uma boa performance e seja aprovado – sim, existem critérios importantes e que podem barrar a exibição do seu anúncio.

Quais são as principais vantagens de usar o Google Ads?

1 – Custo-benefício

O primeiro ponto vantajoso é seu custo-benefício frente a outras plataformas de anúncio. Ter 30 segundos na televisão é caríssimo, um outdoor também não é nada barato, nem mesmo anunciar na rádio. Contudo, com algumas dezenas de reais já é possível veicular seu anúncio em um site que recebe milhares de acessos todos os dias.

2 – Presença e visibilidade

Apresentar sua empresa na maior rede de pesquisa da internet é uma grande vantagem do Google Ads. As pessoas fazem pesquisas no Google o tempo inteiro, e isso significa algo que é muito valioso para a publicidade: presença e visibilidade. Neste sentido, é possível se fazer presente exatamente para o tipo de pessoa que você procura (ou melhor, que procura lojas virtuais como a sua). O que nos leva para a terceira vantagem.

3 – Segmentação

A segmentação fecha a tríade das principais vantagens. Além do custo-benefício otimizado e a extensa visibilidade, é possível criar filtros e segmentações para que seus anúncios sejam exibidos para o seu público-alvo. Isso certamente potencializa os acessos e vendas da sua loja virtual.

4 – Retorno sobre Investimento

É possível atingir porcentagens incríveis de retorno sobre o investimento (ROI). Isso ocorre pelo fato de ser possível anunciar sua loja virtual para muita gente com um investimento relativamente baixo e obtendo retorno em forma de vendas.

Tipos de anúncios para divulgar uma loja virtual

Nem todo o tipo de anúncio é um resultado de pesquisa convencional marcado com a palavra “anúncio” na frente.

Existem outras formas de anunciar sua loja virtual no Google, sendo que cada uma se adequa melhor às intenções dos anunciantes. Veja quais formatos podem ser escolhidos!

1. Anúncios de texto

Ele se parece com um resultado convencional das pesquisas. O detalhe que o diferencia é o retângulo verde contendo a palavra anúncio. Os ads de rede de pesquisa são os mais tradicionais, contudo altamente efetivos devido à sua semelhança com os resultados orgânicos. Você deve estar se perguntando: qual a vantagem de usar um anúncio que parece um resultado comum de pesquisa? A resposta está na sua posição. Os anúncios são os primeiros resultados da lista, e, por conta disso, ganham muitos cliques!

2. Google Shopping

Faça uma pesquisa rápida agora, pode ser algo como “tênis de corrida”. Viu aquele carrossel de fotos de tênis que ficam acima dos resultados de texto? Aquilo é o Google Shopping, uma ferramenta para deixar os anúncios mais visuais, simples e interativos. Eles também são acionados por palavras-chave de pesquisa. Porém, tem como vantagem a posição no topo dos resultados e o apelo visual de apresentar um produto ou modelo diretamente na primeira página.

3. Rede de Display

A rede de display são aqueles banners com propagandas que vemos em diversos sites que fazem parte de uma rede de parceiros do Google, chamada de rede de display. Para anunciar nesses espaços, é preciso usar elementos gráficos (como imagens, animações, gifs e até mini-vídeos). Assim, eles se tornam anúncios mais bonitos e atrativos. A rede de display do Google é muito utilizada para fazer remarketing, que é a exibição de anúncios com base em pesquisas já feitas. Sabe quando você procura por um produto e ele começa a aparecer em diversos anúncios de sites? Isso é o remarketing, e os anúncios que estão aparecendo fazem parte da rede de display do Google.

4. Anúncios para apps

O poder do Google já invadiu os dispositivos móveis, e, com ele, vieram os novos formatos de anúncio focados nos aplicativos. Os anúncios para apps são formas encontradas pelo Google para fornecer aos clientes a oportunidade de divulgar seus anúncios em aplicativos parceiros. A maioria dos anúncios de apps são simples, como uma tela apresentando um produto ou um pequeno pop-up que surge em algum canto da tela. Contudo, existem outras formas mais poderosas e interativas. Um bom exemplo são os anúncios do Waze, que podem ser dotados de rotas de navegação, auxiliando as pessoas a chegarem até o local divulgado.

5. Vídeos

Como proprietária do Youtube, nada mais natural que o Google expandisse seus negócios e inserisse anúncio nos vídeos. Isso já acontece há um bom tempo, e as pessoas já se acostumaram com as propagandas no meio dos conteúdos que estão assistindo. Esses anúncios em vídeo são uma espécie de reinvenção da publicidade televisiva, inclusive dando aos anunciantes o poder de fazer conteúdos extensos e bem produzidos.

Veja também como anunciar no YouTube através do Google Ads. Neste vídeo, nosso parceiro Jorge Ávila, do canal Professor Jorge Ávila, mostrará as possibilidades de campanhas dentro do YouTube.

Passo a passo de como anunciar sua loja virtual no Google

O passo inicial é criar a uma loja virtual na internet. Agora que sua loja não está apenas no mundo real, é hora de fazer o mundo descobrir que seu site existe. Leia mais: Como expandir meu negócio físico para o mercado online? Para isso, capriche nos SEO, porque assim você vai ranquear bem as páginas e se tornar um resultado de peso na rede de pesquisa. Um site atrativo e com páginas bem construídas é fundamental para o seu sucesso. E não se esqueça de caprichar em pontos como a descrição dos produtos.

Primeiro passo: Tenha uma conta

Primeiramente, crie uma conta do Google para ter acesso. Em seguida, faça os procedimentos de cadastro e acesse o site do Ads.

Segundo passo: Crie uma campanha

As campanhas englobam os diferentes anúncios que são criados para um produto ou serviço. Agora, selecione o tipo de anúncio que deseja criar. Em seguida, preencha as metas da campanha e as informações complementares pedidas pela plataforma. Agora, é hora de configurar sua campanha, dar um nome, incluir (ou não) os parceiros do Google para exibição dos anúncios e determinar aspectos fundamentais como:

  • Localização em que devem ser exibidas as pesquisas;
  • Linguagem do anúncio;
  • Data de início e término da campanha.

Leia mais: Como criar sua primeira campanha no Google Ads

Terceiro passo: Defina os lances

Lance é o valor que você pretende pagar para utilizar determinadas palavras-chave e as palavras que deverão “engatilhar” seu anúncio. Em relação aos lances de exibição, o ideal para quem está começando é escolher a opção “maximizar conversões”.

Esse é um modo que o Google encontrou para otimizar os lances para as pessoas que ainda não dominam totalmente a ferramenta. Em seguida, defina o orçamento diário, ou seja, quanto pretende gastar por dia com a exibição dos seus anúncios.

Quarto passo: Configure os grupos e crie o anúncio

Os grupos são uma segmentação dentro das campanhas e servem para que seja possível organizar múltiplos anúncios e suas exibições.

Agora é a hora da criatividade. Para fechar, é hora de criar o seu anúncio. Dependendo do estilo de ad escolhido, você terá que fazer upload em imagens de produtos, banners, vídeo produzido, etc. 

Se sua opção foi rede de pesquisa, é hora de redigir o título 1, o título 2 e o pequeno texto que acompanha o resultado da pesquisa (também chamado de descrição). Agora é só clicar em “salvar e continuar” e pronto! Seu anúncio está criado e a postos para ser exibido. 

Pode parecer algo complexo, mas anunciar sua loja virtual no Google é algo simples, rentável e que traz ótimos benefícios para sua marca e para as vendas. Lembre-se sempre que é possível alterar as características da campanha e os valores diários. 

Marketing digital é algo empírico, portanto, saiba que errar é normal e, aos poucos, a prática vai fazer com que você seja capaz de criar os anúncios mais poderosos possíveis!

O que (quase) todo lojista já compreendeu é o tamanho do potencial de faturamento do comércio eletrônico. Mas o atual desafio é vender melhor e ampliar a taxa de conversão. Muitos ainda patinam no momento de analisar seus resultados, contudo existem diversas formas de analisar o desempenho.

6 Dicas Para Aumentar A Conversão Da Sua Loja Virtual

Uma das mais importantes é a que mensura a taxa de conversão do e-commerce, porque ela determina a relação entre o número de pedidos e o número de visitas no seu site.

Quer compreender mais sobre a taxa de conversão? Se liga nesse conteúdo do Bruno de Oliveira, do Ecommerce na Prática que vai te dar 6 dicas para aumentar suas vendas.

E, após ter tudo estruturado, seu site otimizado para ganhar tráfego grátis ou suas campanhas no Google Ads prontas, que tal pensar em estratégias para vender mais em datas comemorativas?

Datas comemorativas: 3 dicas para gerar tráfego na sua loja virtual

Abaixo, confira algumas dicas estratégicas que você pode implementar rapidamente no seu e-commerce, aproveitando melhor todas as datas comemorativas!

1. Capriche no layout da sua loja virtual

Vista seu site para a data. Aproveite as datas comemorativas para dar um novo layout para seu site. Seja criativo, e diferencie-se. Use imagens, cores e chamadas associadas à comemoração, destacando os produtos segmentados para aquela data. 

Para atrair ainda mais, criar uma landing page específica para a comemoração pode ser uma ótima ideia. Você pode facilitar a navegação, e tornar as sugestões de presentes ainda mais personalizadas.

2. Ofereça um diferencial

Muitas datas são ótimas para o varejo, o que torna a concorrência grande. Tenha uma boa estratégia para diferenciar seus produtos, e conquistar mais clientes. 

Você pode criar kits comemorativos, oferecer um cupom de desconto ou oferecer benefícios, como frete grátis, entrega rápida para aqueles que deixaram as compras para a última hora, facilidades no pagamento, brindes personalizados, embalagem para presente. Enfim, pense em um diferencial e use ele a seu favor.

3. Apareça nas pesquisas

Antes de comprar, seu cliente vai pesquisar preços, procurar por recomendações de outros consumidores, buscar sugestões para presentear. Para ficar bem posicionado nas buscas, invista em SEO – deixando seu site bem ranqueado para as palavras-chaves ligadas à data e aos seus produtos/serviços. Crie um post no seu blog com sugestões de presentes, divulgue a promoção nas redes sociais. 

Você também vai querer usar todos os canais disponíveis para divulgar sua promoção como, por exemplo:

  • Links patrocinados: campanhas direcionadas no Google Adwords e/ou no Facebook Ads são ótimas formas de ajudar a posicionar sua empresa nas buscas, trazendo resultados positivos nas vendas.
  • E-mail marketing: pode ser um excelente recurso para divulgar sua promoção. Você pode sugerir presentes para a data, divulgar sua promoção, apresentar melhor sua marca e o que ela tem a oferecer.
  • Redes sociais: as mídias sociais são excelentes para disseminar uma informação rapidamente, garantir relevância e engajamento. O Facebook é sempre uma excelente opção, mas você também pode utilizar redes com foco em imagens, como Instagram e Pinterest, para gerar mais engajamento.

Além das dicas acima, existem muitas outras alternativas para você transformar sua promoção em um sucesso. 

Ajuda muito saber com quem você está falando, e o que estas pessoas estão buscando na internet. Se você tem personas bem definidas para seu site ou loja virtual, a etapa do “com quem” provavelmente já está bem definida. Já “o que” elas estão buscando você pode descobrir utilizando ferramentas como o Google Trends e o Google Analytics, por exemplo. 

A primeira você pode utilizar para verificar se a palavra-chave que escolheu para a campanha é a mais indicada, ou se alguma outra tem mais relevância nas buscas. Com a segunda, você poderá saber quais as palavras mais utilizadas pelos seus clientes para buscar por seu conteúdo

Bom, já escolheu qual (ou quais) estratégia vai utilizar para gerar tráfego para sua loja virtual? Compartilhe sua experiência conosco!

Continue investindo após criar sua loja virtual

Gostou de saber como montar uma loja virtual sem estoque? Quer mais dicas para expandir o seu negócio? Você também pode fazer pesquisas de mercado e conversar com outros profissionais do ramo. 

Além disso, é altamente recomendado que você elabore um plano de negócio. No blog da HostGator, você encontra diversos conteúdos para desenvolver um planejamento estratégico para o seu e-commerce.